11/10/2012

O SONHO QUE VIROU PESADELO (Argentina parte IV)

   Enfim cheguei à tão sonhada faculdade, passado o CBC (curso de ingresso), pude finalmente dar continuidade ao sonho de estudar medicina. A Faculdade de medicina da  UBA (Universidade de Buenos Aires) ,vista por fora, é imponente . Por muitas vezes, ao passar em frente ao seu  edifício  principal, pensava na grande façanha que havia feito ao ingressar naquela instituição. Porém, como aluno conheci a universidade por dentro , suas salas , professores e metodologias. E deste ponto de vista , não me pareceu linda.

   A metodologia da faculdade de medicina de Buenos Aires é a de aprender sem aulas. Sem aulas?! Sim. Enquanto  os alunos de medicina de qualquer faculdade no Brasil são conhecidos por ficarem por todo o dia enfurnados dentro das salas de aula, na Argentina  é raríssimo encontrá-los na faculdade. No meu caso, ao inscrever-me , fui contemplado com 3 matérias : anatomia, histologia\embriologia\biologia\genética ( todas formam uma única disciplina) e saúde mental.
   Em anatomia tinha 1 aula por semana, durante 4 horas. Para que se tenha uma ideia , quando estudei enfermagem no Brasil , tive o dobro da carga horária da faculdade portenha. Incrível, não? As outras disciplinas seguiam o mesmo modelo, ou seja , ia à faculdade 2 vezes por semana. Óbvio que com estas poucas horas, seria impossível aprender algo. Mas a infelicidade  não se   detém  apenas na questão das pouquíssimas horas\aula, o pior  é que estas eram de baixa qualidade. Voltando com o exemplo de anatomia, a turma de alunos era dividida em mesas , em cada uma das quais havia cerca de 15 pessoas mais um ajudante. Este era um aluno de ano mais avançado da carreira, e que estava incumbido de lecionar. Isso mesmo, quem ditavam as classes não eram professores ,e sim alunos, na maioria das vezes ,despreparados.


   O sistema de avaliação é o mais injusto possível , exigem muito sem  dar a preparação mínima . Uma forma de eliminar a maior quantidade possível de alunos. Cada exame é visto como uma prova de vida ou morte, afinal ,vale 1 ano da sua vida. Se algum aluno reprova um exame ,  dão-lhe a oportunidade única de fazer outro, se falha outra vez, automaticamente tem 1 ano a mais de faculdade a cursar. É muito normal encontrar pessoas que estejam nos últimos anos da carreira , e que totalizam entre 10 e 13 anos de faculdade. Não ,caro leitor, não me enganei. 10 e 13 anos de faculdade!! Eu mesmo conheci um único brasileiro que estava  formando-se, tardou 11 anos, e ainda teria que passar por todo difícil processo de revalidação de seu diploma no Brasil; ou seja , de repente,  para as olimpíadas no Rio de Janeiro teremos um novo médico, ou não.

   Com a falta de aulas, a opção que muitos encontraram foi a mesma do ano anterior, buscar um curso de apoio  que lhes dessem o aporte que não encontravam na faculdade. Como queria aprovar as matérias  , fui visitar  alguns institutos a fim de   preparar-me para os exames. Para minha surpresa, a cena que encontrei nestes lugares era digna do filme "Jogos Mortais". Os cursos em sua maioria funcionam em apartamentos , e têm  cadáveres , ou melhor, partes destes que são manipulados sem nenhuma preocupação com a segurança . Logo fui buscar na lei Argentina,  se isso era de fato permitido. Lógico que não! Estes institutos de apoio estão lotados de brasileiros, e foi justamente uma irmã de pátria que mais me chamou  a atenção . Ao ir a uma aula de anatomia , presenciei um fato marcante , havia uma brasileira que vestia um jaleco branco com o símbolo da faculdade, costume totalmente anormal entre os argentinos. Ela contava que o havia posto, porque no Brasil todos os  estudantes de medicina usam os de suas respectivas faculdades. É a tentativa de apagar uma frustração, a de não ter conseguido estudar medicina no seu país, e que infelizmente não pode ser apagada desta maneira .
   

   No meu segundo ano em Buenos Aires, tive que sair da residência onde havia estado no ano anterior. Neste momento , como se não bastasse , surgiu mais um problema, o alto custo de vida na capital portenha. A Argentina sofre hoje com índices de inflação perto dos 25% anuais, o que para nós brasileiros é  algo surreal; somado a isto, há o fato  da economia estar "dolarizada". Isto significa que tudo que se faz em Buenos Aires envolvendo dinheiro é feito em dólar. Como deixei a residência, tive que alugar um apartamento. Um monoambiente hoje nos bairros portenhos saí por, no minimo, US$ 600,00 (R$ 1200,00). Outra aflição para os estrangeiros que vivem na capital argentina é conseguir comprar os dólares.  Meses  atrás, a presidenta baixara um decreto restringindo a compra da moeda americana  no pais. Resultado, o dólar tinha uma cotação real muito superior à oficial, o conhecido "câmbio negro". O resumo de todos estes problemas foi que meus gastos mensais passaram de R$ 1300,00 para R$ 1700,00, isso porque não pagava a faculdade. No caso dos estudantes brasileiros , o problema da  instabilidade total no país vizinho é  que com taxas inflacionárias galopantes, o governo local toma medidas para que o salário do trabalhador não fique defasado ,como o aumento do salário mínimo, por exemplo, não perdendo assim o seu poder de compra. Por outro lado, como o Brasil não possui taxas exorbitantes de inflação , o salário das pessoas que financiam os brasileiros não acompanha a realidade argentina , e ,estes sim, perdem a cada mês seu poder de compra. É normal encontrar estudantes que em 2009  haviam vivido de forma abastada , mas no ano de 2012 viviam com muito aperto. Para os brasileiros, definitivamente,  não adianta sair pelas ruas batendo panela.

   O formato encontrado pelo governo argentino para que se tenha no país uma universidade aberta esbarra no mesmo problema do Brasil, a falta de investimento. No nosso país, o modelo adotado é excludente, ou seja, universidades de alto nível com pouquíssimas vagas . Já no vizinho, existem vagas para todos, mas como pagar professores para tantos? Como oferecer-lhes estrutura adequada? Impossível. A forma encontrada foi  oferecer uma universidade onde o aluno é autodidata, não necessitando ter um vínculo com a instituição. Se os médicos formados na UBA são competentes, não cabe a mim julgar, mas com certeza o Brasil não necessita de médicos formados no exterior, basta ter boa vontade e investir mais na educação para que mais médicos se formem do nosso jeito, tendo aula todos os dias .

Na próxima postagem, conto sobre minha tentativa de transferência e minha volta para o Brasil.....

298 comentários:

  1. Pablo, meu amigo entendo e muito suas palavras e a situação a qual descreve pois presenciei e vivenciei situações semelhantes. Eu não estudei na UBA, mas na Barceló e posso garantir que os métodos ''em pacote'' são parecidíssimos, digo isso não só pelo ensino ou pela forma que o mesmo é aplicado, mas pela falta de preparo que os alunos são lançados(os que conseguem) no mercado e trabalho.
    De todas as pessoas que conheci, que lutaram e muito para ir e se manter em BsAS hoje conto nos dedos os que permaneceram.
    Vergonha não é expor opiniões, vergonha é não respeitar a opinião e o ponto de vista alheio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para que vocês saibam , estudei medicina na Fundacion Barcelo me formei em marco deste ano(2012) e na primeira oportunidade de revalidação( REVALIDA 2012) EU APROVEI. então não venham criticar espero que os que criticam sejam capazes de aprovar a mesma avaliação que eu fiz e com o mesmo nível de cobrança! falar asneiras é fácil..... só sai falando mal da Argentina quem nao quer estudar. A grande maioria que se formou aqui nesta faculdade (BARCELO) já revalidou seu diploma, bem ao contrario dos medicos de sao paulo recem formados que prestaram prova para aferir conhecimento onde mais da metade reprovou! Minha unica certeza é que voces vieram aqui estudar e nao aguentaram as cobranças, pois sao muitas, desistiram da faculdade por isso e agora saíram falando mal.

      Excluir
    2. Você se formou na Barcelo?! Depois me passa seu nome pra eu saber onde não devo me consultar.

      Excluir
    3. Você acha que está em uma escola? Fiz medicina e cursei em universidades Norte-Americanas, Brasileiras, Argentinas e Peruanas. O que posso dizer é que o Brasil é a única que trata o estudante como um aluno de ensino fundamental, dando a ele todo o material que necessita para passar a uma prova. E outra coisa: quem faz o bom profissional é sua dedicação, não de qual universidade ele saiu. Então eu gostaria de saber aonde você vai trabalhar para nunca passar lá, tendo em vista que você é um incompetente que culpa a faculdade por seus fracassos.

      Excluir
    4. SOu funcionário público, você precisa de mim, não tem escolha.

      Excluir
    5. O material que um aluno precisa para passar em uma prova é de professor, aula, biblioteca atualizada, salas bem equipadas e organização e nada disso a UBA e as universidades argentinas têm.

      Excluir
  2. O melhor para um escritor é saber que seus textos provocam reações nas pessoas. Obrigado a todas as pessoas de vários países do mundo que me mandaram criticas. Em relação as acusações de que meus textos são mentirosos, 2 jornalistas que já escreveram sobre o assunto ,entraram em contato comigo e até agora estão de acordo com o publicado...

    ResponderExcluir
  3. Seu texto é impactante e raramente pretencioso. Sua trajetória uma aquarela vibrante de experiências!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por tão caloroso elogio. Me deixam, sem dúvida , assaz feliz. Até certo ponto envaidecido.

      Excluir
    2. Seu texto Pabulo, é muito bem formulado, tanto que se eu não conhecesse a real realidade eu acreditaria...
      Creio no seu esforso, mas medicina são para poucos... Aventureiros igual a vc aqui chegam aos montes, mas voltam no ano seguinte ao Brasil com suas frustrações!!!
      É bom vc se dedicar ao exercício da escrita mesmo, pois seu texto é bem persuasivo.
      Um abraço!

      Excluir
    3. A realidade é esta , vamos ver seu "esforSo" quando tentar retornar ao Brasil.

      Excluir
  4. Pablo, sou médico formado aqui mesmo em terras tupiniquins e tenho um amigo de infância que viveu a mesma odisseia que você. Achei uma indicação de seu blog numa discussão sobre o revalida, mas você foi além e explicitou um grande problema que os incautos enfrentam. Parabéns! Seus textos merecem ser explicitados em jornais de grande circulação.
    Álvaro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Alvaro. Espero que você como médico, que enfrentou o vestibular do seu país e merecidamente o venceu, ajude-me a divulgar ,entre seus colegas ,minhas experiências. Escrevi os textos com o intuito de que nossa população não acredite na conversa de que médicos formados no exterior são injustiçados ,e os milhares de jovens brasileiros que almejam estudar medicina,não se deixem enganar por promessas enganosas.

      Excluir
  5. Pablo,

    Parabéns por nos contares a tua experiência na Argentina. Sou estudante de medicina e formo-me agora em dezembro de 2012, e neste exato momento estou passando por outro tipo de vestibular: as provas de residência médica.

    O interessante é que no hospital universitário da minha universidade conheci duas estagiárias, as duas são brasileiras (da minha cidade, Belém-PA), uma estuda medicina na UBA (a mesma que tu estudaste) e a outra estuda numa universidade russa. As duas contaram-me que em ambas as instituições existem muitos brasileiros vivendo o que tu viveste. Por curiosidade, perguntei-lhes por que não "quiseram" estudar aqui mesmo, no Brasil. A resposta estava na ponta da língua: devido ao vestibular. Entristeceu-me mais ainda saber que ambas tinham pretensões de regressar às nossas terras brasileiras depois de formadas (se conseguirem formar-se), pois teriam que passar pela revalidação do diploma, presumo eu que seja um processo extremamente difícil, mais difícil que o próprio vestibular.

    Enfim, escolheram o caminho mais fácil, mas que no fim é o caminho mais difícil, e isto está ainda mais reforçado na minha mente graças aos relatos por ti vividos.

    Se por um acaso ainda tens o sonho de estudar medicina, não desistas, conheço várias pessoas que vieram de famílias humildes e isto não foi empecilho nenhum para estudarem medicina, simplesmente tiveram uma grande força de vontade nos estudos. E torço para teres um grande futuro, independente do caminho que escolhas.

    Grande abraço,
    Anderson Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente, muito obrigado pelo tempo dispensado á leitura das minhas crônicas. Quero te dizer que o caminho escolhido por estas estudantes não é o mais fácil, atrevo-me a dizer que eu não o classificaria , sequer, como caminho, tendo em vista que não os leva a lugar algum. Parabéns por haver conseguido se formar em tão difícil e disputada carreira. Quanto a meu futuro, agradeço uma vez mais pelas palavras de incentivo, mas me encontrei no ramo da comunicação social. Espero que seja um bom médico e honre seu esforço.
      Fazendo um breve critica ao seu comentário; ao lê-lo , de inicio, pensei que se tratava de um português (és?) , pela forma da sua escrita, tratou-me com o pronome TU, a todo tempo. Interessante. Boa sorte!!

      Excluir
    2. Não, não sou português, sou brasileiro.
      Escrevo e falo assim porque nasci e cresci na cidade de Belém-PA. Lá, fala-se deste jeito no dia a dia, usando o pronome tu conjugado na segunda pessoa.
      Se quiseres ler algo acerca do tema, indico-te este texto, do professor de português Pasquale Cipro Neto: http://www.alcilenecavalcante.com.br/alcilene/tu-ainda-sabes-falar-assim

      Boa sorte para ti, também!

      Excluir
  6. Incrivel!!!! Parabens pelos textos. A partir de agora quando for ao médico vou perguntar onde eles se formou, não quero ser atendido por essa ralé formada na Argentina, gentinha incompetente de merda....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário. Não comparto da sua opinião quando chama os brasileiros, que por infelicidade foram á Argentina em busca de um sonho,de ralé e incompetentes. Ser desinformado não significa ser incompetente, e por isso resolvi escrever sobre este tema no meu blog, para que futuros candidatos a tal desventura não sejam enganados.

      Excluir
    2. Acredito que se o indivíduo conseguiu concluir sua graduação e além disso revalidou seu diploma no Brasil ele não deve ser tratado como "gentinha incompetente".

      Excluir
    3. Perfeito Manual do Estudante, algumas pessoas são realmente autodidatas. Eu mesmo, perdi horas e horas em bancos da universidade, assistindo aulas que não me levaram a nada. Teria ganhado muito mais se ficasse estudando na biblioteca naquele horário.
      No Brasil estamos acostumados a universidades que tratam o acadêmico como se estivesse no jardim da infância, com trabalhinhos para ajudar na nota.
      Por outro lado, já faz muito tempo que o vestibular não é empecilho para alguém cursar medicina, e sim a capacidade de pagar cinco ou seis mil reais por mês de mensalidade, fora as demais despesas.
      Sim, porque tenho visto vestibulares em que a concorrência é de 1,2/vagas, ou seja, se um ou dois desistirem, todos os outros serão aprovados.
      E digo mais, diferentemente do que foi dito aqui, de que os exames na UBA são bastante rigorosos (não conheço a metodologia), no Brasil, CONHEÇO um monte de gente cursando não só medicina, mas odonto, enfermagem, fisio, entre outros cursos, que não sabem o que é uma mitocôndria, mas conseguem concluir o curso. Parece-me que os estudos dos anos do básico não existem mais. Simplesmente se ingressa na universidade já iniciam as atividades práticas, porque aqueles alunos não têm a menor compreensão de biofísica ou bioquímica por exemplo, mas todos irão se formar!
      Passariam no revalida? Acho pouco provável.
      Conhecimento, habilidade, aptidão, vocação, são características muito pessoais, e vestibular é muito relativo.
      Minha formação não é em saúde, é jurídica, mas gostaria de falar sobre um amigo, que por não poder pagar uma universidade particular, tentou ingressar na UFPE, no curso de Direito, e não conseguiu, porque não era bom nas matérias de exatas(mat/fis/qui). Depois, resolveu arriscar a na UNICAP (Católica), Foi aprovado e conseguiu cursar graças ao antigo crédito educativo.
      Pois bem, destacou-se durante a graduação e logo que se formou foi aprovado para Procurador da República, uma das carreiras almejadas no meio jurídico.

      Moral da estória: o vestibular não é um critério absoluto, existem no Brasil inúmeros cursos de medicina de péssima qualidade, nem todo mundo que se forma no exterior é incompetente, o critério mais importante para se obter uma graduação nos cursos de elite no Brasil hoje em dia é a condição econômica do candidato, e não sua capacidade intelectual.

      Excluir
    4. Os melhores cursos são os das ferais, portanto são grátis. Pelo seu critério não há empecilho econômico, é só estudar e passar. Em relação as privadas que custam um absurdo, existe o FIES, essa gente que vai pra Argentina não conseguiu passar nem numa particular.

      Excluir
    5. "Eu mesmo, perdi horas e horas em bancos da universidade, assistindo aulas que não me levaram a nada. Teria ganhado muito mais se ficasse estudando na biblioteca naquele horário. "

      -- Então não entre numa universidade, pois é isso o que se faz nela, ao menos numa universidade séria: se assiste aula.


      "No Brasil estamos acostumados a universidades que tratam o acadêmico como se estivesse no jardim da infância, com trabalhinhos para ajudar na nota."

      --- Não, no Brasil estamos acostumados a ter aulas com professores e profissionais qualificados, sobretudo os que tem aulas em Federais e universidades públicas, que DÃO AULA e não inventam métodos e picaretagens tipo PBL, sistema darwiniano e vigarices assemelhadas para deixar os alunos ao deus-dará e ir ganhar dinheiro dando aulas em outras faculdades no horário. Estamos acostumados a ter aulas de verdade, nós e o resto do mundo. Se os argentinos não tem como te-las, problema deles, mas que não importemos esses problemas pro Brasil.

      Excluir
  7. Plablo, sem querer fazer juízo de valor, leia mais sobre o Método PBL (do inglês) ou ABP (do português). Bem como, leia sobre as pesquisas científicas que foram feitas comparando esse método ao método tradicional (é.. método tradicional é esse mesmo que você fala que os alunos ficam "todos os dias enfurnados na sala de aula"; já o PBL seria o "aprender sem aulas"). Pesquise! Inclusive você vai ver que não é só em Buenos Aires que há isso, mas em boa parte d Brasil, da Europa, dos EUA, etc.
    Conheça a total realidade do su país e de sua profissão. Pesquise mais, fale menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente ,obrigado pelo comentário. Conheço muito bem o método PBL, aqui no meu país há diversas faculdades que o adotaram, mas ,difente das faculdades argentinas, aqui o professor tem que trabalhar. Tenho um exemplo de um amigo que está estudando na faculdade "Serra dos Orgãos", no Rio de Janeiro. Ele tem aulas todos os dias e durante, pelo menos, 8 horas por dia , já na maioria das faculdades argentinas.... Em relação a pesquisar mais, para escrever esses relatos não só pesquisei , como vivi cada uma das situações descritas. Não é por acaso que, varios médicos entraram em contato comigo me parabenizando pelos relatos e dizendo estar de acordo com a má formação dos alunos formados nos países vizinhos. Para finalizar, não compare Buenos Aires com Brasil , Europa e EUA; procure se informar sobre a situação economica, social e educacional destes lugares, e vai se dar conta do abismo que os separam dos argentinos.

      Excluir
  8. Primeiramente ,obrigado pelo comentário. Conheço muito bem o método PBL, aqui no meu país há diversas faculdades que o adotaram, mas ,difente das faculdades argentinas, aqui o professor tem que trabalhar. Tenho um exemplo de um amigo que está estudando na faculdade "Serra dos Orgãos", no Rio de Janeiro. Ele tem aulas todos os dias e durante, pelo menos, 8 horas por dia , já na maioria das faculdades argentinas.... Em relação a pesquisar mais, para escrever esses relatos não só pesquisei , como vivi cada uma das situações descritas. Não é por acaso que, varios médicos entraram em contato comigo me parabenizando pelos relatos e dizendo estar de acordo com a má formação dos alunos formados nos países vizinhos. Para finalizar, não compare Buenos Aires com Brasil , Europa e EUA; procure se informar sobre a situação economica, social e educacional destes lugares, e vai se dar conta do abismo que os separam dos argentinos.

    ResponderExcluir
  9. Pablo,

    Parabéns por ser um elucidador, e ser generoso e compartilhar sua experiência, ler o seu texto e poder conhecer a vivência de alguém é muito importante, principalmente quando se tem interesse em dar um passo tão grande quanto este. Ir para Argentina estudar é algo que venho cogitando a dois anos, mas nunca tomei a inciativa por não conhecer ninguém que havia ido e vivido a essa experiência. Pela facilidade e conveniência oferecida pelas faculdades Argentinas, imaginava que realmente fosse algo um tanto quanto desregrado. Enfim pode ter certeza que encontrou seu lugar cursando comunicação, pois sua expressão é bem objetiva e clara, consegui visualizar e internalizar suas palavras, mais uma vez agradeço.

    Marco Antônio - BH / MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Marco. Fiz este blog com o intuito de esclarecer para pessoas como você , que estejam pensando tomar tal decisão em suas vidas. Não digo a ninguém para que vá ou para que fique. Cada um sabe as alegrias e tristezas que trazem em seus corações, além de que o futuro a Deus pertence. Todavia, não pude deixar de mostrar a todos a verdade que, infelizmente, vivem aqueles que estudam por lá; a de faculdades com um péssimo ensino, a dificuldade ao regressar ao Brasil e a condição econômica pela qual a Argentina atravessa hoje, que é inviável. Desejo toda sorte do mundo em sua vida, um forte abraço.

      Excluir
  10. Nossa, quanta gente revoltada com os médicos formados fora... Se pensarmos um pouco, porque as demais profissões com formação no exterior são tão valorizadas? "Oh, ele fez administração na Inglaterra!" ou "Nossa, fez faculdade na Rússia!". Quem diz que não quer ser atendido por um médico formado fora, não vai repetir tamanha asneira quando estiver entre a vida e a morte!!! Se os médicos formados fora não passam na prova única de revalidação, me digam, qual prova mesmo fazem os médicos formados aqui? Assim como o exame da OAB para os bacharéis em direito, o CFM também deveria instituir prova semelhante aos egressos de medicina. É uma vergonha!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Medicina na Argentina...Cuba...etc... Brasil...
      Depois de tantos novos cursos de medicina e tantas greves nas universidades públicas... só me sentiria à vontade de pronunciar sobre a qualidade do curso aqui ou em qualquer outro lugar, após verificação do desempenho de recém formados através de uma prova tipo "Revalida"... aí sim saberíamos a proporção dos estudantes formados no Brasil x outros países....

      Excluir
  11. Eu nãao entendo a bronca com a faculdade Barcelo , os professores de la são os da UBA que deixam os alunos sozinhos e vão correr atras do pão de cada dia em outro lugar. E por favor medico formado no Brasil tem que ser avaliado sim , pra evitar as grosserias que vemos todos os dias na tv.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por ler os textos. Não tenho nada contra a Barceló , mas na Argentina a fama desta faculdade é péssima. Lembro-me de vários argentinos fazendo piadas com quem se formava na tal faculdade, devido à sua péssima fama. O que bem sei , é que da mesma forma da UBA a Barceló tem aula 2 ou 3 vezes por semana em um único turno. Mas isso é problema dos argentinos, o que não pode é o Brasil aceitar esses médicos aqui. Um abraço!

      Excluir
  12. Fala a verdade, tem aula teorica sim, so nao e obrigatoria com lista de chamada. Nao pensa que voltar pro Brasil vai ser facil nao, medicina e dificil em qualquer lugar do mundo. Eu sou formada pela UFMG em odontologia, fiz um ano de engenharia quimica na federal de sao carlos UFSCar, e estou na UBA. A verdade e que nunca estudei tanto na minha vida, eles filtram os alunos na universidade. Se vc nao consegui, nao culpe a universidade, adimita que com os metodos de ensino deles vc nao conseguiu. Conheci muitos brasileiros que voltaram nao e vergonha assumir que Medicina e um curso que exige muito ;) nao espere nada facil nas federais brasileiras, os livros que estao nas prateleiras sao os mesmo ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Afirmo que não há aulas na UBA!!! Os métodos são ultrapassados e não há , em hipótese nenhuma, como compará-la com uma universidade brasileira, estamos anos-luz a frente. Os livros podem ser os mesmos, mas e os professores? Bem, desejo-te sorte e que seja uma boa médica na Argentina.

      Excluir
    2. Se nós estamos anos-luz a frente deles porque ainda não temos nenhum prêmio Nobel ?
      E só a UBA tem 3 deles.

      Excluir
    3. 3 da década de 60 e 70, vamos nos atualizar pra comentar aqui.

      Excluir
    4. Ano-luz é uma medida de distância, não de tempo. Só para lhe informar melhor!

      Excluir
    5. Já ouviu falar em figura de linguagem ?

      Excluir
    6. A UBA ganhou 3 premios Nobel há 40-50 anos, numa época em que a Argentina era um país BEM DIFERENTE do que é hoje.

      Atualmente, como o Pablo falou e qualquer ranking comprova, as universidades brasileiras estão anos-luz a frente das argentinas.

      Excluir
    7. Queria falar pra essa tal de Maria Alice Soares que comentou ai encima. Olha so garota, nao eh questao de nao aguentar o emtodo deles, mas sim da falta de respeito com o alumno, ja vi muito aluno sendo reprovado de proposito e sabendo pra caralho, pelo visto essa realidade voce nao conhece talvez porque tenha dado sorte com as catedras, mas tem gente que nao tem sorte se mata de estudar e eh reprovada. E o pior eh que no final das contas quem esta errado eh o aluno, jamais a UBA.

      Excluir
    8. Anoz Luz

      1 USP , 1 duzia de Federais boas o resto lixo

      Por favor, Anoz Luz não kkkk

      Excluir
    9. Nossas federais são as melhores da América do Sul, não é grande coisa em relação ao resto do mundo, mas é fato... Sou aluno de uma federal aqui no Rio, sei do que estou falando.

      Excluir
  13. Olá!Devo te dar os parabéns pelo seu texto, mas não posso deixar de confessar que "a priori" fiquei chateada com o choque que levei, enfim, vinha "paquerando" essa opção já tem um tempinho e ao ler seu texto realmente fiquei chocada, apesar de já intuir que nem tudo poderia ser perfeito nessa fantástica ideia... Achei o Blogger em uma página do facebook e sinceramente inicialmente deixei um comentário muito negativo a respeito de seu texto, afinal, percebi que o meu planejamento tinha muitas falhas! Passou o dia e eu continuei pensando e agora percebi que não encontrava mais aquele post no face! Aí, finalmente meu olho abriu! Por que ninguém fala das vantagens da faculdade? Por que ng defendeu a faculdade diante das críticas postadas aqui? Por que lá no face a imensa maioria está indo e não voltando da Argentina já com o diploma? Realmente, tenho que dar o braço a torcer é melhor pensar bem antes de um investimento sério como esse e por isso resolvi deixar o comentário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, ajude a divulgar para que outras pessoas não sejam levadas por esse engano.

      Excluir

  14. Olá, caro Pablo. Desculpa-me, mas o teu relato só demonstra que tu foste extremamente descuidado, ingênuo, preconceituoso e até um tanto incompetente.
    Primeiro: se tu foste enganado pela empresa de acessoria, deveria publicar o nome dela pra todos verem e não cometerem o mesmo erro.

    Segundo: não me venha com essa ladainha de "faculdades latino-americanas não prestam" ou te esqueces que o nosso amado Brasil também é latino-americano? Não é nenhum segredo que a Argentina tem problemas, assim como qualquer outro país, também não é segredo que vários médicos formados lá são incompetentes, mas eu sinceramente não acredito que tu sejas tão ingênuo a ponto de achar que qualquer um formado no Brasil é um "House" da vida, já cansei de ver médicos formados aqui que nem sabem interpretar um exame de sangue.

    Terceiro: sim, a metodologia de ensino da Argentina é completamente diferente ao que estamos acostumados, nas faculdade hermanas tu nunca vais ver professor dando trabalhinhos ou coisinhas assim para aluno aumentar nota e aprovar, tal qual não verá professores "correndo" atrás do aluno pra ele estudar. Pelo que vejo do método argentino, se tu queres aprovar, tens que estudar, o professor é um mero guia, ele te abre as portas, mas cabe a ti atravessá-las e explorar o quarto com todas as suas nuances.

    Quarto: revalidação não é nenhum bicho de 7 cabeças para quem estudou de verdade, todos os meus amigos que se formaram na Barceló aprovaram-na sem problemas, o nível dos formados na dita instituição é muito bom, quiçá supera o de vários médicos brasileiros.

    Por enquanto é tudo, abraço, parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário. Bem , discordo de você em vários pontos.
      Não sou ingênuo, muito pelo contrário , ingênuo é quem acredita nessa história de que passar na prova de revalidação é fácil, nunca foi e , oxalá, nunca será; vede o percentual de aprovados nos últimos "REVALIDA".
      As faculdades argentinas têm uma metodologia de ensino diferente da nossa, é verdade, mas a despeito disso, são ruins.Por favor, vamos acabar com essa balela de que o povo argentino é culto e o brasileiro ignorante, temos as melhores universidades da América, e se o povo argentino fosse tão instruído, o país não estaria na merda na qual se encontra. Sinceramente, não convém ao Brasil aceitar médicos formados nesses países. Somos latinos, mas estamos a anos-luz à frente de todos. Em suma, pouco me importa a qualidade dos médicos e faculdades argentinas, sou brasileiro e recomendo a todos,os que podem é claro,que quando forem ao médico procurem se informar onde o mesmo se formou, é a melhor forma de peneirar.Boa sorte!

      Excluir
    2. O Brasil está "Anos luz" à frente dos demais países da América Latina?! Quando morrem 04 pessoas POR HORA, vítimas de armas de fogo? Quando o nosso trânsito mata mais do que as guerras contemporâneas? Quando um agente público ("classe" política) sai impune das roubalheiras e atos de corrupção? Quando a presidentA vende o pré-sal a preço de banana? Quando o ensino fundamental, em escola pública, não pode mais reprovar o aluno semi-analfabeto? Quando uma pessoa do povo não pode ter acesso às universidades públicas (inclusive medicina) devido ao mesmo ser um escravo sem qualificações e consequentemente sem condições de pagar por um ensino privado de qualidade?
      Sinceramente, sinto muito por seu sonho não realizado, e por suas frustrações no exterior, mas o Brasil ainda está sob o regime colonial velado que trata o povão como gado. É só ver a nossa saúde, educação, e segurança para chegarmos em uma conclusão bem real e atual. No mais, me parece que é uma desvantagem formar-se em medicina na Argentina e vir para o Brasil. No meu caso, ficarei na Argentina, inclusive posso ir para a Espanha. Vir para o Brasil? Trabalhar no SUS por um miséria de salário? Nem pensar.
      O melhor remédio para a ignorância é o conhecimento (me desculpe a acidez). E quem realmente pretende ir para o exterior estudar (medicina) tem que obter informações de todos os envolvidos nesta jornada: tanto daqueles que voltaram sem concluir seu objetivo inicial, como também saber a opinião daqueles que estão estudando ou já concluíram o curso de medicina no exterior.
      No mais, parabéns pelo seu texto.

      Excluir
    3. Não seja tão exagerado. Obrigado e boa sorte !

      Excluir
    4. realmente Pablo, você provavelmente é mais um desses que pensam la não tem vestibular deve ser fixinha e vai pra la pensando em morar no exterior, festar, passear, e se divertir, quando viu que haviam aulas que não eram obrigatórios, achou um máximo, não foi em quase nenhuma, e no fim do semestre se ferrou, se achando o inteligente injustiçado, veio dizer para seus papais que lá é ruim e que não ensinam para justificar os gastos desnecessários que eles tiveram, porque dizer que o brasil esta anos luz a frente, francamente, se quem se formasse no brasil tivesse que fazer uma prova para revalidar o diploma, é capaz de só metade conseguir, e olha la.
      outro detalhe você mesmo falou que a prova de revalida é muito difícil, então por qual motivo existe tantos brasileiros formados na argentina que conseguem passar na prova?
      cursar medicina, é para quem quer estudar, e não para quem quer aproveitar a juventude.

      Excluir
    5. Anônimo, você leu os textos??!!

      Excluir
    6. Esse DIREITO é doente mental. Tudo o que ele citou sobre corrupção, ffalhas na gestão pública e corrupção existe na Argentina em escala INCOMENSURAVELMENTE MAIOR. Gostem alguns ou nao, no Brasil o pessoal do Mensalão está na CADEIA, enquanto na Argentina os corruptos do governo Kirchner estão não apenas soltos mas com cada vez mais poder. No Brasil, gostem ou não, vc pode comprar dolares qdo quiser, professor dá aula, existe um MEC pra avaliar universidades, os dados oficiais do governo são VERDADEIROS e não falsos como o do governo argentino, etc, etc. O Brasil tem mil problemas, mas é um paraíso de organização administrativa perto da Argentina, e isso os próprios argentinos reconhecem.

      E sem contar a baderna geral que e o país, NADA FUNCIONA e o serviço de saúde deles faz a gente sentir saudade do SUS, e não exagero.

      E das universidades o Pablo já disse tudo, as nossas são de outra galáxia perto das deles e ainda acrescento, no Brasil qualquer aluno tem acesso a bolsas de estudo, coisa q lá praticamente não existe

      Excluir
    7. "No mais, me parece que é uma desvantagem formar-se em medicina na Argentina e vir para o Brasil. No meu caso, ficarei na Argentina, inclusive posso ir para a Espanha"

      Não vejo como possa ser desvantagem ir pra um país muito mais estável, muito mais organizado, com moeda própria, onde posso comprar dólar quando quiser e viajar quando quiser, tudo isso ao contrário da Argentina. E com universidades de verdade, ainda por cima.

      Excluir
    8. Meu Deus, quanto preconceito!

      Que ódio dos Argentinos!

      Perde toda a moral, toda a confiança que eu tinha em vocÊ acabou com sua resposta irracional.

      Excluir
    9. Ódio?! Você tem dificuldade de interpretação ou eu escrevo muito mal....

      Excluir
  15. gostei do blog. muito boa sua relatação textual .vou pra argentina estudar na barcelo espero que seja totalmente diferente da sua triste realidade la .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tambem irei, ESTUDAR, não farei corpo mole, e me dedicarei ao máximo, sou enfermeiro e tenho conhecimento técnico e especifico, atuo na área da saúde a mais de cinco anos, conheço muitos médicos que se formaram em faculdades FEDERAIS DO BRASIL, óóóóo´, GRANDE BÓSTA!!!! Mal olham para a cara dos pacientes, só querem saber de dormir e ganhar o seu plantão sussegado... Que legal ele passou no vestibular, e isso o torna bom? melhor que alguem que se dedicou fora do país? Infelizmente poucos tem oportunidade de fazer a medicina no Brasil , mas não vejo como única e exclusiva forma de eficiência da profissão. Acredito mais naquele que é esforçado, que não sessa na primeira adversidade. O Brasil não esta facilitando para quem se forma no exterior, e se existe o REVALIDA e por incrivel que parece existem aprovados, significa que em algum lugar onde essa pessoa estudou valeu a pena! Ele está apto a exercer a medicina no Brasil, VIVA!!!!
      E MESMO ASSIM AINDA RECEBEM CRITICAS!!!
      não é incrivel como o ser humano quando está destinado a não tirar o cabresto ele não tira!!
      Me parece que não há excessão alguma em suas palavras, TODOS que se formam fora do pais são "burros, incopetentes, preguiçosos, e etc" Li muitos de seus comentarios e vivências pessoais, seu português impecavél, concerteza sua opnião é valida, mais saiba que não é a verdade absoluta.

      Excluir
    2. Obrigado pelo seu comentário. Não posso ater-me em comentar um trecho do seu longo texto para exemplificar o motivo de você e outros tantos estudarem fora do Brasil (países sulamercianos). Um aluno de medicina no nosso país tem que conhecer o nosso idioma, ainda que o básico. Como vocês querem passar num concurso (vestibular) sem conhecê-lo? Vamos ao trecho: " Me parece que não há EXCESSÃO alguma em suas palavras, todos que se formam fora do pais são "burros, INCOPETENTES, preguiçosos, e etc" Li muitos de seus comentarios e vivências pessoais, seu português IMPECAVÉL, CONCERTEZA sua OPNIÃO é valida, MAIS saiba que não é a verdade absoluta." . Pergunto-me se estarão aptos a enfrentar a concorrência. Lógico que não. Boa sorte na Argentina!!!

      Excluir
    3. Brasil e Argentina está no mesmo patamar, quem falar o contrário está sendo irracional!

      Medico que precisa de validação > médico que apenas se formou.

      Excluir
  16. qual a empresa que te forneceu o "pacote" ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele está tão confiante que não responde

      Excluir
    2. Não respondo, pois ,como havia dito anteriormente, não tenho provas concretas, este blog é muito visitado, jornalistas, médicos.... Não quero levar um processo, nem mesmo ajudar aos bandidos que querem comprar vagas.

      Excluir
  17. pablo.. queria conversar com voce.. voce tem facebook, msn email??

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como você quer estudar numa universidade brasileira sem saber escrever????
      Mais do que justo não deixarem você entrar!!!

      Argentino é mais culto do que o brasileiro??!! Precisa conhecer mais os brasileiros....

      Excluir
    2. Brasileiro não é culto (a massa não), agora argentino eu não sei

      Excluir
    3. Brasileiro é culto , sim!! Não somos mais por falta de incentivo e de uma educação de base decente..

      Excluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha cara argentininha, pode me criticas à vontade, só não ofenda MEU povo, MEU país... Que você seja feliz na Argentina,país que amo. Eu não fracassei na Argentina,hoje sou funcionário público aqui no Brasil, recém aprovado num concurso, não estou na área de comunicação.Boa sorte, obrigado por ler e comentar no meu humilde blog.

      Excluir
    2. argentininha..... expressão que expressa desprezo e raiva, parei por ai. Não sei o que ela escreveu então não posso julgar

      Excluir
  22. Bom Pablo, li suas crônicas e foi bom saber um pouco mais do que acontece lá fora. Acho, porém, que você é um tanto radical dizendo que não presta quem se forma fora em um país sul-americano, que a educação é totalmente diferente e que o Brasil é mil maravilhas se comparado ao inferno argentino. Assim como outras pessoas disseram aqui anteriormente, penso que nós não estamos habituados a esse estilo de estudo e que cabe a nós, imigrantes e sonhadores, nos adaptar e nos esforçar ao máximo para conseguir nosso objetivo. Não sei desde quando a educação brasileira virou referência mas dada as circunstâncias é relevante a suposição. Quando pensar em universidades brasileiras não pense só em USP, UFRJ, UNICAMP e cia. Lembre de universidades com PÉSSIMAS condições de ensino e estrutura e que mesmo assim, são muito concorridas.Muita gente quer fazer medicina no Brasil por diversos motivos: status social, dinheiro, vocação, realização pessoal/profissional, etc. Independente do motivo que os leva a escolher tal jornada, é nessa hora que se separa quem realmente quer medicina, quem realmente escolheu medicina pra ser seu caminho independente dos obstáculos dos que queriam, só queriam. Desistir aqui ou na Argentina é um sinal que você, provavelmente,não seria um bom médico já que não aguentou nem a vida 'sofrida' da faculdade. A esses sim, aos que ficaram no caminho, o meu muito obrigado por terem ficado e não terem continuado como uns e outros que entraram porque o pai comprou a vaga e formaram-se 'ótimos' médicos que vemos todos os dias nos hospitais públicos brasileiros. Fazer do seu fracasso uma regra geral pra quem quer tanto ser médico, seja na USP ou na pior faculdade de medicina de Serra Leoa, é bobagem. Pare e pense que há gente boa e ruim em todos os lugares, faculdades e onde quiser. Saber onde fulano formou não vai mudar em nada, você pode ter a sorte de ser atendido por um ex-aluno da USP mas que faz uma entrevista de 1 minuto, grosso e que nem olha na sua cara durante a consulta, erra no diagnóstico... Do que adianta?
    Se alguém for para fora do país, estudar, se dedicar e conseguir se formar, será mais que bem vindo de volta ao Brasil para fazer o REVALIDA e trabalhar onde quiser, ora bolas. Que preconceito infantil esse!
    Legal você mostrar o lado das assessorias, de como a economia lá é instável, das condições das universidades, de tudo que você viveu e tudo mais. Mas não diga que bons médicos não se formam lá, que nada presta. Nada é 100% ruim e você poderia, deixando suas frustrações de lado, falar alguns outros aspectos bons da faculdade. Não é necessários 'fazer a caveira' da universidade mostrando todos os pontos negativos. Dê os fatos e deixe que cada um julgue o que é melhor para fazer.E daí que Beltrano prefere se matar de estudar medicina na Argentina, pelo método deles, do que ficar moldando bunda em cadeira de cursinho aqui? Ele será um médico melhor que você (e vários outros) que desistiu do 'sonho'. Não generalize tanto.
    Gostei da leitura.
    Essa é só a minha opinião dos fatos.
    Obrigado por compartilhar.
    Um Abraço
    HN

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É de comentários assim que precisamos.
      Pablo, você realmente poderia ter se expressado de uma forma menos extremista. Se, hipoteticamente, um jornalista da The New York Times fizesse uma redação incluindo apenas os aspectos negativos do curso de medicina da USP, certamente os americanos que não têm discernimento iriam simplesmente repudiar a medicina brasileira e ao método de ensino brasileiro. Enquanto isso, pessoas que tiveram critério enquanto liam somariam essas ideias com as já formadas sobre tal universidade e sobre o país em si.
      Claro que a UBA não é USP, assim como USP não é Harvard. Agora, se um brasileiro formado na USP vai trabalhar nos EUA, é certo os americanos terem preconceito com a formação dele?

      - Onde você se formou?
      - Na USP, a melhor universidade do Brasil.
      - Não quero você como médico, você é ruim! O Brasil é ruim, tudo de lá é ruim.

      Por favor, sejamos sensatos. É evidente que o método de ensino da UBA se dá de outra forma. E já que estamos falando em método de ensino, devemos considerar o fato de que um aluno não aprende com milhares de horas dentro de uma sala de aula, ele aprende em casa, estudando, escrevendo. As aulas não servem pra aprender, mas sim pra entender. Isso não sou eu quem fala, é a neuropedagogia (procure palestras do professor Pierluigi no youtube caso queira entender melhor esse assunto, ele inclusive fala bem dos argentinos).
      Se o que você relatou sobre a falta de interesse dos professores for ainda uma realidade, isso é sim um problema, pois se torna mais difícil para o aluno ENTENDER a matéria exigida, mas quem quer realmente ser um bom profissional, vai atrás e faz contato com pessoas de universidades do mundo todo (a internet está aí pra isso), de forma que o aluno possa APRENDER, estudando de forma ativa o conteúdo.
      A medicina da UBA não está na segunda melhor posição na América Latina, mas sim na décima segunda. Mesmo assim, segundo o ranking da TOPUNIVERSITIES, ela supera muitas universidades brasileiras e isso é um fato (contra qual não há argumentos!). Ela deve estar lá por algum motivo, e também não deve ser por acaso o fato de ser famosa na Europa como uma boa universidade.
      Lamento sua experiência e também lamento o preconceito que nós brasileiros temos dos médicos que se formam em outros países da América Latina. Mas fico feliz pelo fato de que tenhas desistido, pois assim podes ir atrás do que realmente lhe satisfaz como ser humano.
      Não vou pedir para você trazer os pontos positivos do método da UBA, nem da universidade em si e muito menos da vida na Argentina, pois acredito que se eu fosse para outro país fazer algo que não é o que eu realmente almejo, eu voltaria trazendo apenas as memórias mais sórdidas.
      Parabéns pelo sucesso do seu blog 
      Abraço, LM.

      Excluir
    2. Universidade Federal do Acre ou UBA? Qual escolho? Nao passar em um vestibular de 70 para 1 vaga não é ser incapaz.

      Admiro os brasileiros que mudam do próprio pais para realizar esse sonho, merece aplausos, mais aplausos se passarem na REVALIDA.

      Não entendo o preconceito ou pré-preconceito. Esses dois textos me fizeram ter uma ideia do que realmente na Argentina deve ser.

      OBS, Brasil não é só USP, qual seria a porcentagem de faculdades de medicina no Brasil MELHORES que a UBA e a porcentagem das PIORES que a UBA.

      Será que haveria mais Piores do que Melhores? Ninguém ve esse lado. Realmente, não ter aula, se isso for verdade, é horrível. Na UFRJ quando passou pela crise, minha prima que estava la morando em pensão me disse o quão ruim é, mas e essas aulas optativas, você frequentava?

      Excluir
    3. Não compare UFRJ com UBA, por favor, até por que para ingressar lá, tem que se mostrar capaz.Passe no vestibular da federal do Acre e depois comente, se você conseguir. Tenho certeza que os que estão na ARgentina não passaram no vestibular nem pra uma particular, fica difícil. Aula optativas na UBA são medíocres, uma mentira.

      Excluir
  23. É fato, médicos brasileiros querem controlar o mercado...
    eles ganham muito bem... parecem deputados... o que intere$$a é o grana para a maioria deles...
    Brasileiro ainda não tem a mente aberta, dizer que medico formado na UBA nao tem condicoes de atuar no BRasil... é ignorância mesmo!! o país merece ficar na posição que está em eduação, sáude e violência!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você que a classe médica brasileira é nojenta e fazem reserva de mercado em detrimento da saúde da população, mas que os médicos formados na UBA não tem condições de atuar aqui, com certeza não tem.

      Excluir
    2. Preconceito contra Argentinos
      Egoísmo
      Ato Médico

      Eita máfia!
      Dá até medo! Eca...

      Excluir
    3. Descordo, acho que a UBA é melhor que no mínimo 50% das faculdades de Medicina aqui do Brasil.

      Você estudou na UBA? O nome da sua escola era outro né, como quer julgar a UBA? A 300ª melhor do mundo.

      Excluir
    4. Estudei na UBA , não há aulas, não há contato com professores até o quarto ano da carreira, não há estrutura. Se é boa ou não, não posso julgar, mas para quem quer ser médico no Brasil, com certeza, não é uma boa opção. Tem o revalida, o desprezo da classe médica brasileira....

      Excluir
    5. "Descordo". Eis o nivel dessa galera que vai lá estudar.

      Sim, meus parabéns, a UBA é melhor do que 50% das faculdades de medicina do Brasil. E pior do que o resto.

      Imaginem o que são as faculdades argentinas PIORES do que a UBA então.

      Façam-me o favor.

      Excluir
  24. Pablo, há opiniões divergentes nestes comentários. Uns concordam com você e outros discordam radicalmente. O engraçado é que os que discordam, sendo brasileiros, e que dizem estudar ou ter estudado nas faculdades da Argentina, sequer sabem se expressar em português. Então minha opinião se sacramentou agora, acredito piamente no que você relatou e sugiro aos aspirantes a médico, que se dêem ao esforço de passar num vestibular por aqui mesmo, como incentivo, recomendo a leitura dos comentários acima dos estudantes "argentinos".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uns concordam radicalmente os outros discordam.

      Justo né!

      Excluir
  25. Preconceito não é bom em nenhuma forma. O fato de que alguns estudantes que se manifestaram defendendo a argentina não tinham um português decente não prova que as faculdades de lá são uma porcaria e sim que o ensino daqui nem sempre é eficiente. Ou vocês acham que eles aprenderam a escrever na Argentina também? Pretendo ir pra Argentina e não voltar, mas isso é opção minha. Acho que quem sonha com medicina e não quer prestar o vestibular seja lá qual o seu motivo, deve ir sim, mas não pensando em voltar.. Não porque serão profissionais ruins mas porque não vale o esforço. Afinal, olha o preconceito com o qual serão recebidos, não é? Sou da crença de que cada um se faz sozinho, se você quer ser o melhor nisso, você será o melhor nisso, independente da universidade e do país. Há gente boa e ruim em qualquer lugar. Que meu português que não me permitiu passar em uma vaga numa instituição brasileira me permita exercer um sonho em um país que não me exclua por uma prova. No mais, me identifico bastante com você, também sou louca por jiu-jitsu Hahuha e a parte da realidade financeira realmente abriu meus olhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dominar seu idioma é imprescindível para qualquer profissional, é o mínimo. Boa sorte!!

      Excluir
    2. Se vc tivesse uma médica, formada em uma Universidade Federal Brasileira, escrever em um prontuário que o paciente teve um "trauma na CABESSA" (fora outras atrocidades que já vi, isso é o mínimo!) não acharia que as universidades daqui levam a gramática tão a sério quanto deveria... Acho um absurdo esses erros pra qualquer pessoa que tenha até o nível médio! Mas, infelizmente, está cheio de profissionais cometendo essas atrocidades com nossa língua em todas as profissões... O pior é a infinidade de condutas erradas que quem trabalha em grandes hospitais, com médicos bons e ruins, acaba se acostumando a ver, fica difícil atestar que o ensino no Brasil está anos-luz a frente de qualquer outro país...
      Um abraço!

      Excluir
    3. Você domina as letras, mas não mede palavras preconceituosas.

      Excluir
  26. Uma pena que vocês não são cubanos, pois no Brasil eles não precisam nem mostrar diploma, muito menos fazer o revalida. Pobre pátria brasileira, que vive à mercê do desgoverno do PT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anos Luz a frente da Argentina kkkkkkkk

      Excluir
  27. Pablo Cerqueira,
    Li todos os comentários e o seu relato de vida, realmente viver na Argentina não é fácil economicamente, principalmente para pessoas que juntaram dinheiro para ir a Argentina estudar. Porém, não acho certo você falar de faculdades e julgar todas as faculdades da Argentina como ruins, pois você teve a experiência com a UBA somente . Pois, se você tivesse realmente informado, saberia que na Argentina, na cidade de Buenos Aires existe uma faculdade chamada Instituto Hospital Italiano, nela a carga horária é a mesma do Brasil e as matérias são compatíveis. Mas, para se ingressar precisa passar por uma prova, que é difícil e tem apenas 8 vagas para estrangeiros, e se parece muito com um vestibular. Mas, o detalhe é que ela é cara ( em relação as outras na Argentina ) e não são todos os brasileiros que podem pagar para entrar nessa faculdade. Portanto, não rotule todas as faculdades da Argentina como ruins, sendo que você teve experiência apenas em uma!
    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estudei na melhor faculdade da Argentina, o que vem abaixo dela nem quero conhecer.

      Excluir
    2. Sim, a UBA é a melhor da Argentina.

      Excluir
  28. O fato de não haver muitas aulas é adotado na Alemanha, em suas melhores universidades. Isso acomoda menos os alunos q têm de buscar seus conhecimentos próprios, aprenderem a ser autônomos e terem maior tempo de se dedicar aos estudos sem repetirem o q os outros trazem pronto, coisa a q a educação brasileira está viciada. Gostaria de saber sobre a parte de internato pq se for assim, sem prática, então está errado, obrigada pela informação

    ResponderExcluir
  29. Uma pena que tu não adaptou-se ao PBL, que de fato, está entrando nas melhores faculdades (UEL, UEM, UFRGS, UFSM e futuramente USP). Aliás, com isso, você não faria medicina em nenhuma faculdade aqui, primeiro porque seu texto usa dados desatualizados que muitas matérias (publicadas antes dessa vergonhosa dissertação) que usaram-se de dados lá dos longínquos anos de 2007.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não compare nossas faculdades a UBA . Lá não é PBL, é ensino sem nenhuma aula mesmo.

      Excluir
    2. Nossas faculdades (USP) kkkkk

      Excluir
    3. Passe num vestibular de alguma brasileira e depois terá o direito de criticar.

      Excluir
    4. Não é a USP, é a USP, a UFRJ, a UNICAMP, a UERJ, a UFRGS, enfim, um monte de faculdades federais brasileiras que são melhores (bem melhores) do que a UBA.

      Excluir
  30. Pablo, gostei muito do seu blog me esclareceu muitas duvidas e confirmou muitas desconfianças, porem gostaria de perguntar mais algumas coisas, acho que te encontrei no Facebook e te adicionei, tudo bem ? Posso te perguntar por la ? Obrigado

    ResponderExcluir
  31. Pablo, li seu texto aflita, torcendo para tudo ser mentira. Mas sei que não é. Estou (estava, talvez) com planos de ir estudar medicina na Universidad Adventista del Plata. Estou no 2º ano de Odontologia em uma faculdade onde o método é PBL, e sempre quis medicina. Gostaria de conversar mais com você sobre esse assunto, vou pegar seu e-mail, ok? Obrigada.

    Isadora Andrade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem! Meu e-mail é pablocerqueira30@gmail.com

      Excluir
    2. Isadora, pode ir para a UBA. A universidade ganhou três vezes o prêmio Nobel em ciências. Várias contribuições importantes na medicina foram realizadas por estudantes daquela universidade. Recordemos:

      Luis Agote fez a primeira transfusão de sangue não direta. Domingo Santo Liotta, que criou a prótese cardíaca múltipla e o primeiro coração artificial, não é da UBA (é de Morón), mas trabalhou lá. Enrique Finochietto pode ser considerado o pai dos hospitais modernos; quando você entra em uma sala cirúrgica moderna, a metade dos equipamentos e instrumentos foram inventados por Finochietto; A Cruz Vermelha fez bem em homenagear esse médico argentino, que morava dentro do hospital escola de UBA e inventou esse método de ensino, adotado em todos os países avançados.

      René Favaloro também não era da UBA, mas era argentino e deu importantes contribuições para a UBA; a clínica de Cleveland orgulha-se até hoje de ter tido esse grande argentino entre seus médicos. De Leloir, Houssay e Milstein não precisamos falar, pois suas contribuições para a teoria dos hormônios, biologia molecular e imunologia foram agraciadas com um Nobel para cada um deles.

      Para falar de médicos modernos, não podemos deixar de citar o grande oncologista Gilberto Silva, que não está mais na Argentina, mas formou-se lá. Outros nomes que todos conhecemos: Oscar Mallo, Alejandro Posadas, Mariano Castex (necrose hepática, murmúrio sistólico, etc.), José Tobías (Pancoast-Tobías syndrome), Tibúrcio Padilla, Del Castillo (síndrome de Del Castillo).

      A lista é grande e ficarei monótono se citar todos os professores ilustres da UBA.

      Quanto a não ter aulas, isso é normal em todas as grandes universidades do mundo. Em Cornell (a principal universidade de New York), um professor, chamado Fisher, foi mandado embora. Sabe a razão da demissão por justa causa, pedida por um prêmio Nobel da universidade? Acontece que o professor Fisher perdia tempo dando aulas na graduação. Ele devia estar fazendo pesquisas para encontrar tratamentos para o câncer. Em vez disso, Fisher estava dando aulas. Claro que dar aulas é mais fácil do que pesquisa em oncologia.

      Claro que uma universidade da categoria da UBA é difícil. Provas difíceis, duração longa do curso, reprovações em massa. Mas vale a pena.

      Tenho filho que está fazendo universidade federal no Brasil. Sinceramente, preferia que estivesse na UBA. Mas você sabe, esses jovens querem é moleza. Preferem a USP, a UNESP e as universidades federais brasileiras, onde (segundo a piada) a lista de aprovados no vestibular é entregue para a comissão de formatura. Afinal, todos que passam no vestibular vão se formar depois de seis anos.

      Veja o seguinte. Pablo disse que, na UBA, os estudantes levam 10, 11 anos para formar-se. Na universidade federal onde meu filho estuda, 75% da turma de meu filho vai formar-se depois de 6 anos. Em resumo, 75% da turma não teve nenhuma reprovação.

      Resumindo: Se puder, faça a UBA.

      Excluir
    3. Esse deve ser dono de alguma assessoria engana que leva os iludidos a estudarem na Argentina. Não sabia que a Argentina era referência mundial em saúde, não é isso que meus amigos argentinos dizem...
      Isadora, faça uma federal aqui no Brasil, tenho certeza que será muito melhor pra você que é brasileira e quer trabalhar aqui.

      Excluir
    4. Sim, ele é um tal de Eduardo Campos e é de uma assessoria, ele cola esse texto em todos os blogs e textos que criticam a medicina da UBA.

      É piada querer falar que as universidades brasileiras, as melhores da Am. Latina, onde se estuda como um cão e sem vigarice de professor fugindo da aula pra dar aula na Barceló, e defender a UBA, cujos formados têm aprovação zero na revalidação aqui no Brasil. Se fosse uma universidade decente aprovariam ao menos 1 ou 2, mas aprovam ZERO.

      Excluir
    5. Me de dados mais precisos, fiquei curioso.

      Excluir
  32. Não que eu seja contra Suas Palavras, Mas amigo você sabe oque é Pagar o Preço?Medicina e muito caro no Brasil você sabe para você entrar dentro de ma universidade e cursar medicina ou você filho de papai ou você fez o melhor pré-vestibular embora que seja bem forte os cursos para entrar na numa universidade mas se você estudar de verdade e botar no pensamento que ultima opção na Vida tenho certeza que sai formado e passa no revalida consegui seu CRM e sai trabalhando...Agora se o cara vai para fazer medicina e vai para estudar igual um GOIABA só lamento ai volta para Brasil e vai fazer Cursinho técnico!

    ResponderExcluir
  33. Bom, realmente seu texto é bem persuasivo, mas não funciona com todos. Se a UBA fosse realmente tão ruim não estaria entre as melhores universidades da América Latina "A frente de muitas universidades no Brasil" e muito menos recebido 4 prêmios Nobel sendo 3 em Medicina. A UBA junto com outras universidades do Chile, Colômbia, México, e algumas do Brasil como USP, UFRJ, UFMG lideram o ranking de melhores universidades do sul, o custo de vida na cidades onde estão localizadas as melhores universidades que constam no ranking seja no Brasil ou Argentina são altas obtendo a mesma média de custos retirando as despesas escolares. Resumindo, acho que você e outros críticos tem que levantar a cabeça e seguir em frente cuidando da própria vida e deixando os outros obterem as próprias experiências, estudar medicina são para poucos pessoas seja no Brasil, no Chile, EUA onde for, são para os que tem atitude e comprometimento com as pesquisas médicas constantes que ocorrem no dia a dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bryan, francamente, em que mundo vc vive? Primeiro, a UBA ganhou Nobel HÁ CINQUENTA ANOS, rapaz.

      Vou repetir: CIN-QUEN-TA ANOS!

      Se vc soubesse algo da historia da Argentina saberia tb q a Argentina desde essa época vem despencando em todos os sentidos até chegar no buraco q vive hoje. Qualquer informação sobre a Argentina que fale do passado não vale NADA pra atualidade.

      O que a UBA foi há 50, 100 ou Mil anos atras não interessa, interessa o hoje, e hoje essa universidade é uma MERDA, e as outras são ainda piores.

      Qto a colocação da UBA, de novo, vc inventa. Ela não está entre as melhores, está em DÉCIMO SEGUNDO LUGAR, BEM ATRÁS de USP, UFRJ, UFRGS, UFMG e várias outras brasileiras.

      Acorde pra realidade, rapaz!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Repito: Você é assessor, está interessado em persuadir pessoas a irem para a Argentina e , com isso, ganhar dinheiro . Todos sabem da crise argentina, morei 2 anos em Buenos Aires, tenho muitos amigos argentinos, todos relatam a crise terrível na qual o país está mergulhado. Mas se você gosta tanto assim da Argentina, não retorne ao Brasil, seja médico ai. Não quer , né? Vai ser mais um a tentar a revalidação ou trabalhar clandestinamente numa cidade da fronteira. Vai enganar outro, isso ai eu vi e vivi de perto!!!

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    5. Nossa... te enganaram direitinho... O Mercosul é um bloco falido, do qual o Brasil tem de cair fora o mais rápido possível. Os blocos econômicos sérios nada têm a ver com intercâmbio de profissionais de medicina. Médico , cada país forma o seu. Se você acha a Argentina tão maravilhosa, por que não viver ai?? Já sei, médico ai ganha uma miséria, é uma profissão como outra qualquer. " Vou para o Médicos sem fronteiras" é o que mais escuto desses fugitivos que estão ai, bando de aventureiros....

      Excluir
    6. Heheheehhe vc falou tudo agora, Pablo! Essa galera toda fala das maravilhas da medicina argentina, dos Nobels ganhos há 200 anos (sendo que os tais Nobels NÃO desenvolveram suas pesquisas na Argentina e sim em paises do 1o. mundo), mas NINGUÉM quer trabalhar lá e ganhar o salário ridículo que os argentinos ganham e vive sob os efeitos da inflação galopante, da constante instabilidade, do governo irresponsável e das incertezas.

      Todos falam que é maravilhoso pra enganar bobo, mas na hora H picam a mula pro Brasil. E nisso não estão sozinhos, muitos argentinos estão fazendo isso também.

      E concordo, o Mercosul tem que acabar, o Brasil tem que picar a mula o quanto antes. Quando visitamos os vizinhos descobrimos que estamos cercados por nações que nada tem a ver conosco e que nada podem nos dar de bom.

      Parabens pelo seu trabalho, vc está abrindo os olhos de muitos!

      Excluir
    7. Obrigado, mas é apenas minha opinião.

      Excluir
  34. Reaça é foda mesmo viu ! Não quer escrever um texto contra o "Mais Médicos" não ? Um texto apoiando a ditadura, que tal ? rs rs

    ResponderExcluir
  35. Existem faculdades e universidades na Argentina que usam o metodo tradicional de ensino como o Instituto Hospital Italiano, PUC Buenos Aires,,UNIVERSIDADE MORON E OUTRAS.em relacao a Uba ,li um depoimento de um estudante que tambem nao gosta do metodo da universidade, mas ele disse que existem os seminarios e que a universidade os consideram como aulas..Ha seminarios todos os dias e sao ministrados nas partes da manha ,tarde e ate as 20 horas ,mas o aluno nao tem a obrigacao de ir ,nao ha lista de chamadas.E nos seminarios sao os professores que dao aulas.Voce nao pode generalizar ,achando que todas as universidades da Argentina usam esse metodo. isso nao e verdade.na Moron por exemplo ha 8000 horas aula.Obrigado bye

    ResponderExcluir
  36. Em relação ao comentário de 8 de Janeiro:
    Realmente os nobéis da UBA foram a muito tempo e a universidade e a Argentina já viveram dias melhores, mas ainda sim a UBA é uma das melhores universidades da America Latina, pois estar entre as 12 melhores(existem pesquisas para o curso de medicina que apontam a UBA com a 8º melhor)(estes resultados levam em consideração também os nobéis e a quantidade de artigos publicados pela universidade) ou 20 melhores ou 30 melhores é estar entre as melhores; perceba que estamos falando de um universo de milhares de universidades. Quanto ao "buraco em que a Argentina vive hoje" eu diria que o buraco não é tão fundo quanto você pensa, moro aqui a algum tempo e posso te afirmar que comprado ao Brasil, não estão tão mal. Falando de índices: IDH, muito superior ao do Brasil(segundo maior da America Latina; Taxa de Analfabetismo, muito inferior ao Brasil (segundo menor da America latina; numero de livros lidos por ano por habitante muito superior ao Brasil; Homicídios por 100 mil habitantes muito mais baixo que o Brasil, salário mínimo entre os com mais poder de compra da America Latina e muitos outros índices que comprovam o que eu tenho visto aqui, principalmente em Buenos Aires, como trasporte público muito bom, metro para todo lado, ônibus a toda hora; sistema de saúde muito mais eficiente dentre outas coisas. Existem muitos problemas também, principalmente em algumas províncias e a economia está a muito tempo desestabilizada.
    A UBA é a universidade mais conceituada no mercado de trabalho na America do Sul, talvez isso seja fruto dos tão ultrapassados nobéis, mas que pelo menos servem para dar um prestígio e uma valorização dos seus estudantes e graduados.
    O que ocorre é que mesmo com crise, a Argentina em seus anos dourados, se desenvolveu relativamente bem (comparado aos países da America do Sul), e mantem parte desta estrutura e principalmente da cultura adquirida. Por exemplo a Espanha, a Grécia, os EUA e muito outros países mais desenvolvidos passaram por fortes crises, porém você acha que a qualidade de vida desses países foi para pior que nos países não desenvolvidos? Não; o trasporte já está lá; as crianças já tem escolas; os hospitais já existem; a polícia já é preparada e o mais importante; a CULTURA do povo já está enraizada na vida cotidiana.
    Amo o Brasil e acho que está melhorando sim, podia melhorar mais, porém está melhorando. Acredito que em alguns anos seremos não só uma potência econômica(como já somos), como também um país com qualidade de vida melhor. Essa bobagem de depreciar um país em relação ao outro é estupidez, cada país tem suas virtudes e defeitos, ambos tem boas universidades e más universidades. O que ocorre é que no Brasil os alunos são excluídos antes de entrar na universidade e na Argentina são eliminados durantes o curso, o que o Pablo relatou não deixa de ser verdade, mas também não deixa de ser verdade que existem muitas pessoas que se adaptam ao sistema e se transformam em ótimos profissionais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou o autor do comentário referido.

      Curioso que de tudo o que eu falei e que tinha a ver com tema do blog vc escolheu apenas vir fazer propaganda da Argentina, sendo que não era o foco do que eu disse. Mas tudo bem, vamos desmontar isso ai tb (esse blog aqui serve tambem pra isso, é um blog para desmontar mentiras, digamos assim).

      Primeiro, quero dizer que falo de ter vivido la por quase 1 ano como estudante de Geografia em intercambio academico, logo, sei que do que falo. Vc, pelo que me parece, se de fato mora lá, não le jornal nem assiste tv. Vejamos.

      1- Estar em 12o lugar sendo a melhor universidade de um país significa que o resto é muito ruim, muito mesmo. Se aqui no Brasil ha faculs ruins tendo as melhores da A. Latina imagine num pais onde a MELHOR é a 12a.

      2- Todo o seu discurso sobre indices e rankings esquece, ou finge esquecer, de um detalhe (que qq pessoa q more ou ja morou na Argentina, como eu, sabe muito bem): que os dados estatisticos argentinos (IDH, etc) são MAQUIADOS pelo governo Kirchner e que nenhuma instituição internacional os aceita, por serem comprovadamente falsos (alguns sao obvios como o IDH ser proximo do do Chile, o que é ridiculo pra quem conhece os dois paises, como eu e sabe que o Chile pertence a uma galaxia e a Argentina a outra). Isso do salário ter o maior poder de compra é uma piada, tendo em vista que esse poder de compra é justamente carcomido pela inflação galopante do país, a ponto da renda deles ser inferior a nossa e de outros paises, e o indice de criminalidade vc deve ser vidente, pois não é fornecido pelo governo há uns 6 ou 7 anos. O único indice medido é o do numero de assaltos e, veja so, nesse Buenos Aires é a líder sul-americana entre as metropoles (embora eu ache que o Rio, por ex, é mais perigoso ainda hoje).

      Em qualquer indice que não é fornecido pelo governo argentino (ou seja, que não é passivel de maquiagem) verifica-se uma situação calamitosa, como os dados do PISA, segundo os quais a Argentina tem os piores desempenhos no ensino basico em toda a America. Sim, isso mesmo, o ensino básico argentino é pior do que o brasileiro hoje, na verdade há uns cinco ou seis anos. Ou os dados sobre as melhores universidades da America Latina, que tb não são do governo. Ou de renda, onde a brasileira é a 3a. da America latina, perdendo apenas pra Chile e Uruguai. E do sistema de saude publico argentino eu nem vou comentar, o Pablo já referiu em outro momento. Duvido que vc more em Buenos AIres mesmo.

      Excluir
    2. Quanto a onibus e metro, Bs As é muito insuficiente nos dois, nao sei de onde vc vem do Brasil, mas quem está acostumado com o metro de SP, por exemplo, ri dessa sua afirmação de que ele está em toda parte ai. Uma cidade imensa com apenas 4 linhas é piada. Como disse, duvido que vc more na Argentina.

      3- Querer comparar a estrutura que um pais como EUA e Espanha tem ou tiveram com a Argentina é gozação, duvido seriamente que vc queira falar e ser levado em consideração. Não há villas miseria imensas nesses paises, não há gente morrendo de fome como no Norte argentino, não há o pior ensino da América, não há a corrupção absurda que há na politica argentina e em toda a vida publica do pais, e assim por diante. Td o que vc disse que "ja esta la" nesses paises "não está" na Argentina ha muitas décadas. Sim, quando um pais é desenvolvido um momento de crise não destroi tudo, mas o que se ve na Argentina é uma destruição progressiva ao longo de muitas décadas, há pelo menos 50 anos, até chegar ao buraco sem fundo que está hoje. Não é um pais rico que ficou pobre anteontem, mas sim um pais que já era bem terceiro mundista antes dessa crise, até pq já havia sofrido muito com a de 2001.

      4- Ser a universidade mais respeitada no Peru, no Paraguai ou na Bolivia não me parece ser grande coisa. Alias, é curioso, porque na Argentina as instituições brasileiras essas sim são respeitadissimas, e com razão, pois são mto superiores.

      5- Por ultimo, é evidente que há pessoas em qq lugar q se transformam em bons ou maus profissionais, seja na argentina, no peru ou no paraguai. Ninguem discute isso. O que se discutiu aqui foi qualidade MÉDIA de quem é formado num lugar onde não se dá aula, não ha condiçoes e não há seriedade. Apenas isso. E ninguem depreciou ninguém, eu falei apenas da realidade dos fatos.

      Enfim, é triste a gente ver que basta uma critica racional como a do Pablo sair a rua pra que propagandistas e mentirosos venham tentar enganar mais gente. É mesmo uma máfia, essa das empresas que levam pessoas pra Argentina.

      Excluir
    3. Para finalizar, quero dizer que gosto mto da Argentina e dos argentinos, e fui mto bem recebido por eles como a generalidade dos brasileiros é. No entanto, meus amigos argentinos mesmos reconhecem que o Brasil é hoje em dia um pais muito superior, anos luz a frente deles, e não serão dados maquiados do governo populista ladrão Kirchner e nem comparações esdruxulas e loucas com Espanha e EUA que mudarão isso. Meu foco nem foi esse, e sim alertar para que o Brasil não aceite medicos que nao tem condições de clinicar aqui. Apenas isso. O Brasil deve pensar primeiro em seus cidadãos.

      Excluir
    4. Em primeiro lugar não disse mentira e não considero o que você diz mentira, são pontos de vistas diferentes, provavelmente os dois tem sua parte de razão e de engano. Aqui na Argentina não é nenhum país das maravilhas, mas está longe de ser o caos que alguns pensam.

      Em relação a UBA, o fato de estar em 12º faz com que ela esteja teoricamente acima da grande maioria das faculdade brasileiras, existem inúmeras faculdades brasileiras muito boas que não aparecem no ranking, se o cara forma em uma delas tudo bem, mas se forma na UBA é ruim. Não consigo ver lógica neste raciocino. O que acontece é que a UBA tem um sistema de ensino que um Prof. americano chamou de Darwiniano, "em que só os mais fortes sobrevivem" e que apresenta principalmente nos primeiros anos uma faculdade com um ambiente desfavorável aos alunos, assim que quem quiser seguir em frente além de ter um bom nível intelectual vai ter que correr atrás por conta própria. É um sistema de seleção, muitas vezes injusto, mas que no final quem forma na universidade é um profissional muito capacitado e que estudou de mais. Ou seja a infraestrutura no ciclo biomédico é ruim, melhora no clínico e é muito bom no internato (carga horária maior que a UFMG por exemplo) mas quem forma na UBA tem tudo pra ser um ótimo profissional. O sistema do Brasil, faz essa seleção antes, e depois oferece todo o apoio para o aluno formar. Não existe sistema melhor ou pior, os dois tem vantagens e desvantagens. O da UBA te permite entrar mas te exige muito pra continuar o do Brasil te dificulta a entrada mas te dá melhores condições de continuar.

      Quero deixar claro que polarizar as opiniões, dizer que uma coisa é 100% e a outra é 0% nos faz ver apenas um lado da moeda e não perceber o obvio, que tudo tem seus pontos positivos e negativos. Em relação aos índices o IDH por exemplo é usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o da Argentina é alto muito antes desse governo. O taxa de homicídio é dada pela ONU, mais precisamente a UNODC, Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Essa taxa não tem que ser fornecida pelo governo, é o número de homicídios em relação a 100 mil habitantes, A inflação é alta, mas os reajustes dos salários tendem a acompanhar (o último aumento foi de 25% no final de 2013 e começo de 2014). Joga no google: cidades com melhores qualidade de vida da América do Sul, Buenos Aires está sempre entre as melhores em várias pesquisas diferentes. Não estou falando que aqui é tudo lindo maravilhoso; tem pobreza, assalto, inflação e muitos outros problemas, mas é igual a qualquer outra cidade da América do Sul.

      Excluir
    5. Em relação ao Metro, Buenos Aires tem 6 linhas, com um total de cerca de 55km. São Paulo tem umas 5 com uns 75km. Só que: São Paulo tem 11 milhões de habitantes e Buenos Aires tem cerca de 3 milhões. São Paulo tem 1.522 km2 e Buenos Aires 203 km2, ou seja quem tem mais km de metro por habitante? e por km2.

      Muitas assessorias são safadas e desonestas sim, não falam das dificuldades e fazem tudo parecer flores. Assim como a situação que as assessorias colocam não corresponde a realidade a situação que alguns colocam de uma país destruído e uma péssima faculdade com nível calamitoso de ensino não corresponde com a verdade. Mas mesmo assim, não aconselho ninguém a vir estudar aqui sem antes saber todos os pontos negativos.

      O índice de aprovação do revalida dos diplomas argentinos é cerca de 20 a 23% enquanto o geral gira em torno de 9%. Fora que destes diplomas argentinos tem muitos de universidades particulares, não posso afirmar pois não tenho dados, mas apostaria que o índice de aprovação dos médicos com diploma da UBA é bem maior que os relativamente alto 20% da Argentina como um todo.

      Uma observação: O nobel da "UBA" foi em 1984, há 30 anos e não 50. Na verdade foi de um ex professor da Faculdade de Medicina formado na UBA também.

      Não comparei a Argentina com Espanha ou EUA ou outro país desenvolvido, apesar do IDH da Argentina estar no mesmo grupo deles, IDH muito alto (Veja a classificação da ONU). Claro que a Argentina está muito longe destes países, comparei com os países da América do sul e copio e colo o trecho que comprova isso:

      "O que ocorre é que mesmo com crise, a Argentina em seus anos dourados, se desenvolveu relativamente bem (comparado aos países da America do Sul), e mantem parte desta estrutura e principalmente da cultura adquirida."

      Veja: eu disse entre parênteses: COMPARADO AOS PAÍSES DA AMERICA DO SUL
      o que eu disse em relação a Espanha e EUA foi uma espécie de analogia não comparação. Olha bem: está escrito entre parênteses no meu texto lá em cima: COMPARADO AOS PAÍSES DA AMERICA DO SUL.

      Mas tudo bem, você tem sua opinião e eu a minha. Eu respeito sua opinião e até concordo em alguns pontos. Abraço e tudo de bom!

      Excluir
    6. Essa de sistema Darwiniano é comprovadamente uma furada. A UBA abre mão de dar uma boa base aos alunos para fazer seleção?? Então, matérias como: Biologia, histologia e anatomia não são importantes para um médico? Só importa a parte clínica ? Bem... É de dar medo essa medicina, mas quem sou eu pra comentar sobre medicina... Agora, economia, você entra na minha área, e como você bem disse e eu já havia explicado nos meus textos , a inflação na Argentina está por volta dos 40%(os jornais argentinos apostam em índices mais elevados) ; e , sim, os trabalhadores têm aumentos para tentar conter a perda do seu poder de compra, mas os trabalhadores ARGENTINOS!!! Os brasileiros, que não tem tal aumento, estão cada dia mais apertados, pois você não faz ideia do que é uma economia com inflação de 40% e o seu salário não acompanhar tal desvalorização da moeda, é ficar miserável da noite para o dia. No mais, boa sorte e mande notícias dessa super-aventura.

      Excluir
    7. Claro que a Biologia, Histologia, Anatomia e etc são importantes. E os alunos da UBA são muito bem avaliados nestas matérias, você mesmo disse:
      "O sistema de avaliação é o mais injusto possível, exigem muito sem dar a preparação mínima".
      Ou seja quem passa nos exames está muito bem preparado, pois são provas que exigem muito.
      Mas assim, como você, não posso falar muito de medicina. Agora economia está na minha área também, porque sou Administrador. Você tem toda razão a inflação aqui está muito alta e para nos brasileiros é terrível. Isso vai afetar cada um de uma forma, dependendo das reservas e da fonte de renda que cada um tem no Brasil.
      Pode deixar que vou mandar notícias, continue com o Blog que eu sempre acompanho e gosto muito.
      Sucesso!!!

      Excluir
    8. Desculpa prolongar o texto ainda mais, mas não posso deixar de comentar, não por mim, mas pela veracidade das informações:
      Fui conferir esses dados do PISA, os quais, segundo comentário anterior foi constatado que a Argentina é a última da América e pior que o Brasil.
      A Argentina está em 4º lugar na América Latina com 388 pts, logo atrás do Brasil com 391, diferença de 3 pontos, menos de 1%, sendo que em ciências está na frente do Brasil por 1 ponto, ou seja os dois estão ruins, mas nivelados entre si. Sendo que jamais poderia ser a última da América, pois abaixo está a Colômbia e o Peru. E Venezuela, Paraguai, Bolívia e Equador nem aparecem na lista. Segue o link da pesquisa do G1
      http://estaticog1.globo.com/2013/12/03/PISA2012.pdf

      Excluir
    9. Entre as 12 melhores VS Texto de um Fracassado!

      Quem ve pensa que existe 300 Universidades brasileiras melhores que a UBA, só porque uma ou três são melhores

      BRASIL não é só USP, acordem!

      Excluir
    10. Fracassado?! Você me conhece? Você deve ser um vencedor, não passou no vestibular e foi pra Argentina... Parabéns!!

      Excluir
    11. Bem, como o sujeito ali resolveu responder e com várias incorreções, vamos de novo:

      "Em relação a UBA, o fato de estar em 12º faz com que ela esteja teoricamente acima da grande maioria das faculdade brasileiras, existem inúmeras faculdades brasileiras muito boas que não aparecem no ranking, se o cara forma em uma delas tudo bem, mas se forma na UBA é ruim. Não consigo ver lógica neste raciocino"

      --Você não consegue ver lógica porque ninguém disse isso. É evidente que se a UBA está em 12º. no ranking está acima de várias brasileiras (embora muitíssimo longe das nossas melhores). O foco não é esse, o foco é que esta universidade, que não entra nem no top 10 latinoamericano, é o melhor que eles tem a oferecer. Imaginem, então, o resto! O blog se dirige a todos os brasileiros que vão estudar na Argentina. Nem todos vão para a UBA e mesmo aqueles que forem irão para uma universidade pior do que muitas brasileiras. Diante disso tudo, é correto dizer que, em média, o sistema universitário argentino é, sim, consideravelmente pior do que o nosso.


      “O que acontece é que a UBA tem um sistema de ensino que um Prof. americano chamou de Darwiniano, "em que só os mais fortes sobrevivem" e que apresenta principalmente nos primeiros anos uma faculdade com um ambiente desfavorável aos alunos, assim que quem quiser seguir em frente além de ter um bom nível intelectual vai ter que correr atrás por conta própria.”


      ---Isso é picaretagem. O tal “ambiente desfavorável” ocorre porque a UBA não tem condições financeiras de manter o mínimo para os seus alunos. Curiosamente, nenhuma universidade do mundo faz uso desse “sistema”, só uma universidade de um país subdesenvolvido. E porque? Porque não é sistema algum, é pura e simples falta de verba e de condições financeiras.



      “ É um sistema de seleção, muitas vezes injusto, mas que no final quem forma na universidade é um profissional muito capacitado e que estudou de mais.”

      ---Não há comprovação alguma de que isso funciona. Ao contrário, o próprio ranking da Universidade deixa claro que NÃO funciona tão bem assim. E não há comprovação também que estudou. Como o Pablo já mostrou aqui, os alunos de medicina da UBA estudam muitíssimo menos do que os das universidades brasileiras, a carga horária é ridiculamente menor.


      “Não existe sistema melhor ou pior, os dois tem vantagens e desvantagens. O da UBA te permite entrar mas te exige muito pra continuar o do Brasil te dificulta a entrada mas te dá melhores condições de continuar.”

      ---Não há lógica no que você está dizendo. Dar melhores condições para continuar não elimina o fato de que as faculdades brasileiras, sobretudo as mais qualificadas, exigem muito do estudante, e conforme o Pablo já explicou aqui várias vezes, exigem MUITO MAIS do que as argentinas, com carga horária muito superior e professores que dão aulas. Ou seja, o ensino superior brasileiro dá MELHORES CONDIÇÕES e, além disso, EXIGE MAIS. É evidente, claro e cristalino que é um sistema muito melhor. O sistema argentino não é um "sistema", é a solução que eles encontraram diante da falta de verbas, mas não configura um sistema e sim um "puxadinho".


      “Em relação aos índices o IDH por exemplo é usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o da Argentina é alto muito antes desse governo. “

      ---Eu sei o que é o IDH. É justamente este governo (este e o do marido da atual presidente) que destruiu e está destruindo o padrão de vida dos argentinos. Além disso, o IDH argentino, como eu disse,é comprovadamente maquiado e não é aceito por instituição alguma. Mesmo no programa das nações unidas (eu sei disso, pois lido com esse tipo de dado) ele aparece com vários asteriscos, indicando que os dados do governo são altamente discutíveis. E de fato, consultorias independentes mostram resultados muitíssimo piores do que os que o governo mostra, através do INDEC (o IBGE deles). Curioso que vc more na Argentina e não saiba disso.



      Excluir
    12. “Em relação aos índices o IDH por exemplo é usado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o da Argentina é alto muito antes desse governo. “

      ---Eu sei o que é o IDH. É justamente este governo (este e o do marido da atual presidente) que destruiu e está destruindo o padrão de vida dos argentinos. Além disso, o IDH argentino, como eu disse,é comprovadamente maquiado e não é aceito por instituição alguma. Mesmo no programa das nações unidas (eu sei disso, pois lido com esse tipo de dado) ele aparece com vários asteriscos, indicando que os dados do governo são altamente discutíveis. E de fato, consultorias independentes mostram resultados muitíssimo piores do que os que o governo mostra, através do INDEC (o IBGE deles). Curioso que vc more na Argentina e não saiba disso.

      “O taxa de homicídio é dada pela ONU, mais precisamente a UNODC, Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Essa taxa não tem que ser fornecida pelo governo, é o número de homicídios em relação a 100 mil habitantes,”

      ---Você nitidamente não sabe do que fala. Tem de ser dada pelo governo, pois são os dados das polícias locais. Tanto tem de ser dada que a senhora presidenta Kirchner (como ela gosta de ser chamada) IMPEDE a divulgação de tais dados há tempos. Por isso ninguém sabe quais são os verdadeiros dados de criminalidade da Argentina, embora consultorias independentes dêem números verdadeiramente alarmantes. A taxa de homicídios da cidade de Rosário (que não é das piores do país), por exemplo, ficou em aproximadamente 40 por 100 mi habitantes, “apenas” três vezes superior a de SP.

      Excluir
    13. “A inflação é alta, mas os reajustes dos salários tendem a acompanhar (o último aumento foi de 25% no final de 2013 e começo de 2014)”

      --Não tendem, porque, em primeiro lugar, ninguém acredita nos índices oficiais argentinos de inflação (os dados variam, segundo consultorias, entre 40 e 80% de inflação anual). 25% não dá nem para o gasto. Os aumentos acompanham no máximo os dados comprovadamente falsos do governo argentino, ou seja, não acompanham nada.

      “Em relação ao Metro, Buenos Aires tem 6 linhas, com um total de cerca de 55km. São Paulo tem umas 5 com uns 75km. Só que: São Paulo tem 11 milhões de habitantes e Buenos Aires tem cerca de 3 milhões. São Paulo tem 1.522 km2 e Buenos Aires 203 km2, ou seja quem tem mais km de metro por habitante? e por km2.”

      --- Buenos Aires tem 12 milhões de habitantes e SP tem 18 milhões. Essas linhas atendem toda a região metropolitana das duas cidades. Sem contar que SP tem uma malha ferroviária muito superior de trens de superfície. E nem vou começar a comparar a qualidade dos ônibus das duas, quem já pegou ônibus portenho sabe do que estou falando.

      “Uma observação: O nobel da "UBA" foi em 1984, há 30 anos e não 50. Na verdade foi de um ex professor da Faculdade de Medicina formado na UBA também. “


      ----O Nobel ganho em 1984 foi para três pesquisadores, incuindo um argentino que se formou pela UBA mas fez toda a sua carreira acadêmica em Cambridge (foi pra lá em 1959). Ou seja, a UBA não teve nada a ver com a pesquisa que gerou o premio e o Nobel em questão não é prova da qualidade acadêmica da instituição, o sujeito só fez a graduação ali e diga-se de passagem, naturalizou-se britânico e morreu na Inglaterra. E ao contrário do que vc disse, nunca deu aulas na UBA. É como um sujeito que se gradua na UNIBAN, vai fazer doutorado na Inglaterra, estudar a vida toda lá, pesquisar tudo lá e ganhar um Nobel, e a UNIBAN dizer que o Nobel tem a ver com ela. Evidentemente, não tem.

      Excluir
    14. --- Voce esquece, de novo, que esse período de desenvolvimento argentino foi há muito, muito tempo e que grande parte dele, conforme já comprovei aqui várias vezes (contrariando informações erradas e mentiras que vc conta) já foi para o brejo. Poderá voltar? Poderá. No momento não voltou. E isso se reflete nas péssimas condições de ensino que a UBA oferece para seus alunos.
      E de qualquer forma, como já vimos, sequer os dados do IDH argentino merecem alguma confiança. A revista inglesa The Economist, a mais conhecida do ramo, como eu já disse, não os leva em consideração.

      Excluir
    15. Quanto ao que falei do PISA, de fato foi errado, não é a pior do continente, mas é pior do que a do Brasil conforme eu disse. E vem sendo há uns bons anos. Ou seja, se nós brasileiros achamos o nosso ensino básico ruim, imaginem o horror que é o argentino.


      E Pablo, não existe esse papo de sistema darwiniano, nem meio sistema darwiniano. Isso é picaretagem, conversa pra boi dormir. O que existe é uma universidade falida, com péssima estrutura que não tem condições de dar o mínimo para seus alunos estudarem, em um país indo para o brejo e se empobrecendo a olhos vistos, governado por uma louca. Ponto final.

      E essa dos professores não darem aula é outra vigarice. Serve para que eles, enquanto ganham o seus salário miserável na UBA, complementem a renda dando aulas em outras faculdades no mesmo horário que deveriam estar na universidade.


      Daqui a pouco os caras vão vir aqui dizer que os habitantes da Etiópia vivem num "sistema darwiniano" para os deixar mais fortes, hahahahaha. Não é porque é o país é miserável, é porque o sistema "escolhido" é aquele e que tem vantagens e desvantagens em relação aos demais, hahahahahaha.

      Essa galera me mata de rir!

      E outra, curioso que o "administrador" em questão saiba tanto das disciplinas dos curso de Medicina da UBA, de como se estrutura a faculdade de medicina, etc, etc. É curioso mesmo. Será que não temos outro agenciador atacando por aqui? Suspeito que sim.

      Abraço e siga com seu trabalho!! Está ajudando milahres de jovens , mesmo que vc não perceba talvez isso!

      Excluir
    16. Bom, pra mim o tema central era a UBA, pois o relato do Pablo se baseia nela e o seu comentário que eu comentei se referia a ela. Mas parece que chegamos ao consenso de que a UBA é melhor que muitas brasileiras, que essas brasileiras são boas, logo que a UBA é boa. Quanto ao sistema de ensino universitário brasileiro ser superior, não tenho dúvidas. Isso é um fato.
      O sistema darwiniano é uma crítica a UBA. Mas esse sistema só existe no ciclo biomédico, principalmente no primeiro ano e a UBA não oferece uma estrutura boa para os alunos não é exatamente por não ter verba e sim por adotar um sistema da ingresso universal e irrestrito, em que estudantes não só da Argentina, mas também de toda a América do Sul vem para estudar, assim a quantidade de alunos é gigantesca. Isso é sim, passível de críticas, mas seja como for a UBA funciona, como acredito que concordamos.

      Excluir
    17. O Governo Atual tem o seus problemas e falhas, mas vem recuperando a Argentina em muitos aspectos. Quem destruiu a qualidade de vida dos Argentinos foi Menem, e jamais poderia ter sido o casal K, pois eles assumiram em 2003 e a crise que quebrou a Argentina foi em 2001, resultado de quase uma década de loucuras neoliberal de Menem que vendeu o país, inclusive a YPF, a petroleira Argentina(foi reconquistada por Cristina), as empresas de distribuição de energia e muitas outras, além de aplicar um plano de paridade entre o Dólar e o Peso, que era surreal e implicou na invasão dos importados acabando com a indústria nacional Argentina. O vida do Argentino vem melhorando desde 2003 apesar da dificuldade da economia. O que acontece é que como no Brasil a grande mídia odeia governos populares, e o grupo Clarin manipula dados e faz de tudo para prejudicar o governo. Dá mesma forma que muitos brasileiros acreditam que o Brasil piorou desde 2002, muitos Argentinos acreditam que a Argentina está muito pior que em 2003, isso se deve a manipulação da mídia opositora.

      Excluir
    18. É preciso pluralizar as fontes de informações, por isso eu assisto e leio mídias do Clarin, mas faço questão de ler e ver mídias alinhadas com o governo como a TV Pública, que por um lado defende muito o governo e só mostra pontos positivos, mas por outro, desmente e mostra muitas verdades que os grupos opositores não mostram. No Brasil é igual, a Globo, Veja e outros manipulam e querem passar a impressão de que o Brasil está indo de mal a pior e que o governo do PT é o mais corrupto e o mais incompetente.
      Sei que fugi muito do tema, mas quero dizer que se você só assistir a mídia opositora aqui na Argentina você vai achar que a Argentina vai acabar amanhã, assim como a mídia opositora no Brasil diz que se a Dilma ganhar o Brasil quebra em 2015. Só que ambos falam isso a quase uns 10 anos.

      Excluir
    19. Metrô: Quando me refiro a Buenos Aires e São Paulo, me refiro as cidades, não as regiões metropolitanas. Mas mesmo assim. São Paulo tem 11 milhões e a grande São Paulo tem 20 Milhões estes dados estão no site da prefeitura que diz ainda que a área de São Paulo é de 1.530 Km2(Só a cidade de SP). Já Buenos Aires, tem 3 milhões e a região metropolitana 11 milhões. O sistema de Metrô de Buenos Aires é muito mais abrangente, porque SP é uma cidade descomunal de grande. Mas como você diz, eu acredito que o sistema de transporte público de SP seja bom. Só vale ressaltar que o custo de uma passagem de ônibus aqui é de $ 2,65 e no Brasil cerca de R$ 2,85, valor absurdamente maior, pois na Argentina o governo subsidia o transporte público e no Brasil o governo explora o transporte público. Vou de ônibus todo dia para a aula e afirmo que o sistema aqui é melhor que na minha cidade, BH/MG.

      Excluir
    20. Eu sei alguma coisa sobre as disciplinas dos curso de medicina da UBA pois antes de vir pra cá pesquisei muito, inclusive já sabia destas dificuldade que existem no começo da carreira e agora que já estou na UBA converso com alunos que estão mais avançados e inclusive estudantes no internato.
      Não sou assessor e digo para a maioria das pessoas para que NÂO VENHAM PARA A ARGENTINA, principalmente para a UBA, a não ser que você tenha consciência de como funciona o sistema aqui e que conseguirá se adaptar, pois se você vem com uma expectativa e encontra outra a chance de se decepcionar e desistir é muito grande.
      Não entendo porque você insiste em insinuar que eu sou mentiroso e agora que sou agenciador, só estou expondo meu ponto de vista e dados que o corroboram. Jamais entro em um discussão para ofender, denegrir ou caluniar e se percebo que estou diante de uma pessoa deste nível sesso a discussão.
      Mas o que importa é que eu estou muito satisfeito com a UBA e com o nível de exigência, nunca estudei tanto na minha vida e estou aprendendo muito. Tenho certeza que vou ser um ótimo médico.

      Excluir
    21. “Bom, pra mim o tema central era a UBA, pois o relato do Pablo se baseia nela e o seu comentário que eu comentei se referia a ela. Mas parece que chegamos ao consenso de que a UBA é melhor que muitas brasileiras, que essas brasileiras são boas, logo que a UBA é boa. Quanto ao sistema de ensino universitário brasileiro ser superior, não tenho dúvidas. Isso é um fato.”

      ---Curioso, você modificou o discurso. Antes eram modelos diferentes onde um não era pior do que o outro, agora, diante de evidencias acachapantes, vc diz um é melhor do que o outro.

      “O sistema darwiniano é uma crítica a UBA. Mas esse sistema só existe no ciclo biomédico, principalmente no primeiro ano e a UBA não oferece uma estrutura boa para os alunos não é exatamente por não ter verba e sim por adotar um sistema da ingresso universal e irrestrito, em que estudantes não só da Argentina, mas também de toda a América do Sul vem para estudar, assim a quantidade de alunos é gigantesca. Isso é sim, passível de críticas, mas seja como for a UBA funciona, como acredito que concordamos.”

      ---Então, é por ela não ter verba. De novo, não é um “sistema”, é uma situação decorrente da precariedade da instituição. Isso, para mim, não é funcionar. Os estudantes brasileiros que vão para aí ou vão em intercambio (como eu) ou então são os fugitivos do vestibular que buscam um quebra-galho, como os que vão pra Bolivia ou Paraguai estudar.

      Excluir
    22. E desculpe, mas seus comentários sobre o governo argentino são risíveis,e olhe que eu sou esquerdista. O governo Menem foi sem duvida muito ruim para o trabalhador argentino e levou a crise de 2001, mas o que veio depois tampouco merece muita respeitabilidade. Criticar um não significa defender o outro. Não é verdade que a vida do argentino vem melhorando desde 2003 e os números indicam justamente o contrário (digo, os números independentes, porque os números oficiais são comprovadamente maquiados), em certos pontos o país nunca esteve tão mal, em alguns pontos pior mesmo do que na crise de 2001.

      “ Dá mesma forma que muitos brasileiros acreditam que o Brasil piorou desde 2002, muitos Argentinos acreditam que a Argentina está muito pior que em 2003, isso se deve a manipulação da mídia opositora.”

      ----Conversa fiada. Não se trata de manipulação alguma, isso é o discurso barato típico dos peronistas, de que é tudo culpa da imprensa, culpa do imperialismo e assim por diante, para esconder a corrupção galopante, a ineficiencia total dos serviços públicos, a péssima gestão administrativa e econômica e assim por diante. Eu não lia apenas o Clarin quando estava aí, lia também o Página 12 (jornal descaradamente oficialista) e outros veículos. Além do mais, eu já havia visitado Buenos Aires antes (em 99 e 2005) e o empobrecimento do país era e é visível. Buenos Aires nunca esteve tão suja, perigosa, pobre e cheia de villas miséria como agora.

      Excluir
    23. Não há qualquer comparação com os governos do PT no Brasil. Aliás, é curioso, pois a oposição argentina a Cristina justamente admirava o Lula por ser, segundo eles, muito mais responsável do que os KK e menos cegamente ideológico. E têm razão. O Brasil, o Chile e o Uruguay têm governos de esquerda de verdade, a Argentina e a Venezuela têm apenas populismos ladrões onde falta luz, papel higiênico e sobra inflação galopante.
      Hoje em dia nem mesmo a esquerda brasileira defende a roubalheira dos Kirchner, só cegos ideológicos. É impossível investir na Argentina, a não ser comprar as falidas empresas argentinas, coisa que as empresas brasileiras vêm fazendo com muita frequência. De certa forma o governo Kirchner foi bom para as nossas empresas, pois destruiu a economia do setor privado argentino e permitiu que as nossas comprassem quase tudo que há de relevante aí.

      Quanto ao sistema de metro das duas cidades, já falei. Os dois servem as duas regiões metropolitanas e por isso não é verdade (de novo vc inventa) que seja muito mais abrangente o de Buenos Aires. São Paulo tem um numero maior de KMs e está em expansão, enquanto o de Bs As está parado há décadas. Não conheço BH para comparar (mas vindo de vc é uma opinião que dificilmente dá pra levar a sério), o de SP é muito superior. Logo, o seu papo inicial (destruído por mim) que tinha “metro pra todo lado” era pura conversa fiada.

      “Mas o que importa é que eu estou muito satisfeito com a UBA e com o nível de exigência, nunca estudei tanto na minha vida e estou aprendendo muito. Tenho certeza que vou ser um ótimo médico.”

      Ah, você será um ótimo médico? Desculpe, mas você não disse que não era da área da medicina e que era administrador? Depois você reclama que eu o chamo de mentiroso, quando é mais do que óbvio que , sim, você é um mentiroso de quarta categoria e pior, do tipo que se contradiz no meio da própria mentira! Inventa tanto que acaba se enredando na história furada que vc mesmo cria, hahahahah

      Excluir
    24. Meu caro, eu disse que você parece um agenciador porque você parece um agenciador. Mente bastante , inventa bastante, distorce bastante, propagandeia bastante e só se retratou porque eu, como trabalho com dados estatísticos ligados ao que apontei porque sou estudante de Geografia, contrapus a sua propaganda barata mais acima com dados verdadeiros e concretos, impossíveis de serem maquiados pelo INDEC. Mas uma coisa você tem em comum com essa galera que estuda na Argentina, que é a má formação educacional. Seu português é horrível, “sesso a discussão”, “de mais” e assim por diante.


      E quanto aos estudantes brasileiros pesquisarem antes de irem para a UBA, eu acho sim uma excelente ideia, para demoverem dessa ideia maluca. O mesmo pode ser dito dos que vão pra Bolivia, Paraguai ou outro país latinoamericano em situação semelhante. Tomara que nunca se adaptem a um "sistema" como esses. Precariedade mudou de nome, agora é um "sistema".

      Francamente, isso é deprimente. O sujeito é mentiroso, semi-anarfa, provável agenciador e defensor desse governo bizarro dos Kirchner. O que falta?

      Excluir
    25. Quando me refiro ao sistema brasileiro ser melhor que o Argentino me refiro ao conjunto de instituições, a grandeza e numero de universidades de ponta, não ao sistema de ensino em si.

      Se você quer comparar o metro em relação as regiões metropolitanas, então os 55 km de Buenos Aires servem os 11 milhões de habitantes e os 75 km de SP servem os 20 milhões. Quem tem a proporção maior de km/hab continua sendo Buenos Aires. SP deveria ter pelo menos 100 km ou seja, proporcionalmente, se Buenos Aires tivesse 20 mi de habitantes teria 100 km de metro, contra os 75 km que tem SP. O metro de Buenos Aires também está em expansão.
      Eu disse que sou administrador, formei no Brasil e vim estudar medicina aqui. Vou ser um ótimo médico porque estou estudando para isso. Não entendi, onde está a minha mentira.
      Essa história de criticar o português sempre é usada para tirar o foco da discussão e atingir moralmente a parte oposta. Eu escrevi não sei quantas linhas e cometi dois erros, por falta de atenção(é bem possível que tenham mais) Qualquer um que leia esta conversa sabe que nenhum dos dois é analfabeto ou ignorante, o português tem um bom nível e os argumentos são em sua maioria são dignos de serem avaliados.
      Não vou mais responder a este debate, gostaria de ter uma discussão saudável e enriquecedora, mas vejo que você tem me agredido de várias formas pessoais e não estando mais o objeto da discussão em evidência mas sim as personalidades dos debatedores, perdeu-se o sentido do debate e começa o decadente campo das agressões pessoais.

      Excluir
    26. Vale a pena dizer que eu, como criador do blog, nada tenho a ver com a briga de vocês. Na minha opinião , toda discussão é saudável, desde que haja respeito.

      Excluir
    27. Pablo, estou de acordo, mas com mentiras e enganações não dá pra seguir mesmo. Aceito pontos de vista contrários aos meus, mas vigarice, não nem nunca vou aceitar.

      Ele alterou o discurso dele ao longo do que eu falei depois que PROVEI que era conversa fiada o que ele dizia, com números e argumentos irrefutáveis.

      O metro de Bs As, repito, está parado. O de SP está em plena expansão, com novos KM prestes a serem inaugurados até 2017,2018. Estima-se que chegará a 150 km até o fim da década.

      Depois, quando eu apontei o que todos sabem, ou seja, que o governo Kirchner maquia estatísticas e outras ele nem fornece (nisso ele mentiu também, dizendo que algumas nem precisava fornecer, o que é, repito, mentira) resolveu se refugiar no discurso baratíssimo de que a mídia está contra esse governo palhaço dos Kirchner, que ele é perseguido por ser "popular" e que por isso eu o considero uma merda, quando é visível que o país todo está se destruindo graças à louca na Presidência e seu marido corrupto falecido.

      Francamente, com desonestidade não posso mesmo. Ainda mais na minha área, que é a Geografia.

      Se vc ver lá atrás, foi esse sujeito quem veio responder a um comentário meu feito aqui, dirigido a ninguém em especial, sobre as condições atuais do país. Ele se sentiu no dever de inventar uma série de coisas que eu prontamente respondi. Na ocasião, eu deixei BEM CLARO que eu apenas responderia ao texto que ELE dirigu a mim para não deixar certas mentiras passarem em branco, pois o tema do blog não é esse.

      Mais uma vez, parabens pelo blog e peço desculpas por prosseguir numa discussão que, repito, não provoquei.

      Excluir
    28. Obrigado. A discussão de vocês acrescenta muito aos leitores do blog, só tomem o cuidado de não entrarem em ofensas pessoais. Muitos dos emails que recebo são de pessoas preocupadas com a situação econômica da Argentina, ou seja, não estão nem um pouco preocupados com a qualidade do ensino, para estes a discussão de vocês é muito válida.

      Excluir
    29. Estou fazendo uma pesquisa após 3 anos que fui à Argentina, de como estão os brasileiros que conheci por lá, em breve escreverei um novo texto sobre o assunto, é surpreendente e triste.

      Excluir
    30. Sim, eu tenho certeza de que pra muita gente a qualidade do ensino nem importa, eles querem o canudo e pronto. Aí só estão preocupados mesmo se o país vai ou não afundar.

      Aguardo ansiosamente esse seu texto, Pablo!

      Excluir
  37. Olá, Pablo. Gostei de ler os teus textos. Achei o relato da tua experiência muito interessante. Acredito que você, infelizmente, tirou conclusões totalmente erradas depois de viver isso tudo, no lugar de melhorar como aluno depois de ter vivido isso tudo, piorou... Acabou desistindo de um sonho simplesmente porque não tinha professores para te entregar o conhecimento "mastigado" e "regurgitado" na boca. Uma pena.
    Sou chilena, fiz a prova de seleção para ingressar na Universidad de Concepción (que é bem mais difícil que um vestibular brasileiro) e fui a primeira classificada para o meu curso. Não concluí o curso porque vim morar no Brasil. Depois de alguns meses morando aqui prestei vestibular para a Universidade de Brasília e passei sem problemas (francamente, não acho o vestibular brasileiro tão difícil assim). Concluí meu curso em 4 anos, prestei outro vestibular, concluí a minha segunda graduação em outros 4 anos, prestei prova para entrar no mestrado na UnB e passei, porém o deixei pela metade porque fui a segunda classificada para um mestrado com bolsa da Universidade Autônoma de Barcelona. Cursei o mestrado lá e depois fiz mais um em Portugal. Durante esse tempo na Europa tive vários colegas brasileiros, russos, bielorrussos, alemães, franceses além dos alunos do próprio país e, sim, posso te garantir que brasileiro sofre mesmo!

    ResponderExcluir
  38. Não é só na Argentina, na Europa os brasileiros também ralam demaaaaais para conseguir acompanhar os cursos, reprovam a rodo, a maioria desiste no meio do curso e volta ao Brasil. O motivo para isso é uma combinação de fatores: metade dos brasileiros que conheci (especialmente as meninas) ficam doidos nas primeiras semanas querendo ir para tudo quanto é balada e namorar até cansar, beber até passar mal, viajar a Europa inteira, etc. Depois desse período de loucura pelo novo, de viajar pra tudo quanto é lugar e tirar milhões de fotos para o Facebook, a maioria entra numa depressão profunda por causa da saudade da família, da comida da vovó, do cuscuz da mamãe, do pãozinho de queijo, do sol, do calor, dos amigos, do namorado... aliás, eu nunca conheci um povo pra chorar mais do que brasileiro! Caramba.... como choram! Sem brincadeira, as minhas colegas de mestrado chegavam às aulas da manhã com os olhos inchados de tanto chorar de saudade (incrivelmente, você não vê nenhum outro estudante estrangeiro sofrer desse jeito na Europa, só brasileiro mesmo... e os mexicanos, um pouco).
    Depois disso, o pânico! Os brasileiros sentem na hora das primeiras aulas um choque absurdo, na Europa os professores não dão aula! Tipo, os melhores te dão 20 minutos de seu tempo para dar uma "introdução" ao tema do curso e te explicam como você será avaliado. Depois te "largam" lá na sala pra você se virar! Isso não é chocante para ninguém, pelo menos, nenhum dos alunos dos mais variados países que estudaram comigo ficou chocado, estávamos todos preparados e ansiosos para isso mesmo, menos os brasileiros! Nossa, os brasileiros entraram em pânico desde a primeira aula. Todos nos formamos, todos conseguimos passar as provas (dificílimas, por sinal), porém dos 5 brasileiros que começaram o curso comigo, apenas um conseguiu chegar até o final! Isso tendo que repetir uma matéria! E foi mimimimi os fucking 2 anos de mestrado!!!! Realmente a educação no Brasil, assim como tudo neste país, é extremamente paternalista, os alunos brasileiros não estão acostumados a pensar por si mesmos, não fazem ideia do que seja pesquisar, acham que Wikipédia é fonte para pesquisa (teve uma anedota engraçadíssima com uma das gurias brasileiras que citou a Wikipédia como fonte num trabalho e a doutora lá quase teve um infarto), os brasileiros chegam à faculdade e querem que o professor ensine!!! (um absurdo para qualquer pessoa que saiba um pouco sobre educação... professor não tem que ensinar nada, você é quem tem que aprender!). O papel do professor não é ensinar ninguém, é, no máximo, te guiar para você procurar o conhecimento e te avaliar, nada além disso! Acho uma aberração você chegar ao nível do mestrado e doutorado no Brasil e ter que assistir aula! Onde já se viu? Doutor tem que pesquisar, caramba! Não tem por que ficar sentado numa sala ouvindo um fulano falar sobre o que ele vivenciou, o que ele aprendeu, o que ele sabe! Tem mais é que sair procurando o conhecimento sozinho, bebendo de todas as fontes que achar, tirando suas próprias conclusões, em fim... usar o cérebro!

    Depois dessa experiência toda voltei ao Brasil, hoje sou professora universitária numa federal e, vou te falar, prefiro mil vezes ser atendida por um médico que ralou para aprender o que sabe, que batalhou para passar em todas as provas que fez durante seu curso, que teve o desespero de ter que estudar por conta própria e o prazer de receber a recompensa ao passar em todas as suas provas até conseguir concluir o seu curso e depois ainda voltar ao Brasil e fazer a prova do REVALIDA e passar!!!! do que ser atendida por um mediquinho que passou 5 ou 6 anos pagando uma mensalidade de 5 mil numa particular, passou com um 5 arrastado depois de ter tido trilhões de horas de aula com os melhores profissionais que entregaram a ele o conhecimento todo mastigadinho e o moleque ainda assim consegue tirar 5 numa prova e passa do mesmo jeito! e que depois disso tudo ainda se diz médico.
    Um abraço para você e, se lembre: um sonho de verdade vale a pena um pouco de esforço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!! Como já dissera em outros comentários, hoje sou funcionário público aqui no Brasil e encontro-me feliz .Parabéns pelas suas conquistas, mas o vestibular para medicina aqui no Brasil é muito complicado sim!!!

      Excluir
    2. Que curioso o comentário dessa Patricia, a "chilena". Uma suposta professora de universidade federal que escreve pior do que um aluno do ensino médio. E o comentário sobre o aluno brasileiro não querer pesquisar é outra piada, se ele não quer, ninguém na America Latina quer, pois o Brasil é líder continental em pesquisa básica universitária, e de longe.

      Essa criatura nunca deu aula e nunca chegou perto de uma universidade europeia, ainda mais portuguesa, onde as aulas são divididas entre práticas (onde se discute o tema com o professor) e teóricas (onde são como palestras, onde o professor fala e ninguém sequer pergunta). Na Europa assiste-se, sim, e muito, a aulas. Onde não se assiste é em picaretagens como as universidades dos paises vizinhos ao Brasil.

      Mas o melhor foi a historinha novelesca sobre os alunos brasileiros e a aluna usando wikipedia, hahaha. Como eu disse, essa criatura nunca chegou perto de uma universidade de ponta do Brasil. Mas tem explicação, o Pablo mexeu num negócio forte e que dá lucro!

      Realmente Pablo, vc tem razão, essa máfia de agenciadores não dá trégua!

      Abraço

      Excluir
    3. E só mais um comentário. Os brasileiros que estao na Argentina sofrem sim, mas com a falta de estrutura, a faculdade caindo aos pedaços, falta de professores a inflação galopante, a picaretagem reinante, etc, etc. Esses são os problemas que eles enfrentam, diria que diante disso, os demais problemas são até pouco relevantes. Conseguir estudar numa faculdade caindo aos pedaços como a UBA não é pra qualquer um, ainda mais pra quem vem de um meio academico como o brasileiro, o melhor da A. Latina, acostumado a condições de pesquisa, bolsas, Lattes, CAPES, CNPQ e tudo o mais que os habitantes vizinhos nem sonham em ter.
      Esse é o problema, não o suposto sistema de "ensino".

      O resto é essa sua obra ridicula de ficção, hahahaha.

      PS: Patricia, põe o teu Lattes ai pra gente dar uma olhada, hahahahah. Fake ridiculo, agenciadora safada enganadora de jovens!

      Excluir
    4. Vocês não fazem ideia da quantidade de emails que recebo de assessores me xingando e ameaçando. Esse blog serve para divulgar a minha visão sobre alguns assuntos e contar a verdade do que passei. Assessores, se eu estou atrapalhando o negócio de vocês, não me importa nem um pouco, quero ajudar mais e mais pessoas a não se meterem nessa furada.

      Excluir
    5. Assessores xingando, ameaçando, que feio isso! É anti profissional tal atitude!

      Excluir
  39. Que triste a sua historia, bom imagino que como qualquer outro brasileiro de 30 anos quem vem para a Argentina com a idea de se formar rapido e ainda mais na UBA o senhor deve ter entrado pela resolucao e nem ter feito o CBC. (atualmente nao existe mais)
    Sou estudante de medicina aqui e tenho 22 anos, podia ter entrado pela resolucao, mais preferi nao. Pq digo isso, pq as vezes assusta estar em uma universidade que nao tem aulas... eh que na verdade, aulas nos primeiros anos, sao em menor quantidade, justamente para a classe de pessoas que sao frageis educacionalmente desistir, medicina aqui nao eh brincadeira...
    Mas de verdade fico triste e espero que com esses seus textos vc nao influencie pessoas a nao virem para a atual 5 melhor universidade da america latina, e 178 no ranking mundial, na frente de universidades como UFRJ que eh top ai no brasil junto com outras federais.
    Mas agradeco que exponha sua opniao, ate porque hj estando aqui, sei o quanto vale cada centavo do dinheiro do meu pai e da minha mae, e vou voltar a minha nacao e sem vestibular ser um dos melhores profissionais da area, e espero nao me frustar como o senhor que voltou e desistiu da medicina!

    grande abraco e que Deus te abencoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia a história antes de comentar.... Que resolução?! Fiz o CBC em 1 ano, passei em tudo.... Essa faculdade nunca será a 5ª da América, por favor. Você é um fugitivo do vestibular, como vai comparar o que é pesado do que não é? Espero que dê tudo certo pra você ai.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Nada contra Buenos Aires, morei lá por 2 anos e amo esta cidade. Mas para os que querem ser médico no Brasil, não serve estudar medicina na Argentina; e , sim, a UBA é bastante desestruturada. Não conheço os rankings que você citou, me baseio pelos divulgados pelo jornal O Globo, nos quais as faculdades brasileiras, chilenas e colombianas lideram.

      Excluir
    4. O André do comentário acima é mais um assessor, óbvio que ele irá defender a ideia de que estudar na Argentina é algo viável, que as faculdades lá são as melhores e etc... Cuidado jovens, este blog existe exatamente para alertar sobre esse mercado de sonhos, sou um crítico imparcial, não ganho nada com isso, somente quero privá-los das conversas desses que querem levar vossos capitais com uma conversa fiada.Estudar medicina na Argentina é golpe!!! Só quem ganha são os assessores que cobram por serviços que, na maioria das vezes , é grátis. Existe um mercado pujante levando nossos jovens pra essa furada. Estamos de olho!!!

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    6. É curioso que esse André, depois de desmascarado, apagou as próprias mensagens. Lol!

      Excluir
    7. Só pra deixar claro que não sou assessor. Sou um estudante de medicina aqui em Buenos Aires. Apaguei as mensagens por acreditar que a discussão não vai levar a lugar algum e por reconhecer que o Pablo é um cara honesto e que está contanto a sua experiência, tentando alertar sobre problemas que realmente acontecem: Que as assessorias enganam e manipulam e que o sistema de ensino da UBA é diferente e não é fácil de se adaptar. No mais desejo todo sucesso do mundo para você Pablo e parabéns pelo Blog, que apesar de não concordar com alguns pontos, no final ajuda a abrir os olhos de que quer vir estudar aqui.

      Excluir
    8. RANK Vs Blog

      Fugitivo? Gente.... olha o nível do autor ortograficamente correto.

      Excluir
  40. Me encontro na situação de estudante para vestibular de medicina e o desespero de ser aprovada ou não faz parte do meu dia-a-dia, estava pensando em alternativas mais fáceis e que me tirassem desse sufoco que é o vestibular, a ideia de fazer medicina na Argentina me animou muito, pois para mim o problema enfrentado pelas pessoas de ir ou não para solo vizinho era o apego à família. Somente após ler seu texto pude ter minha mente aberta e perceber que não existe caminho fácil, e como você mesmo disse: nem tudo que reluz é ouro. Confesso que nesse momento estou chateada e decepcionada pois realmente acreditei que se fosse pra Argentina tudo seriam flores e bem mais fácil que o tradicional do Brasil. Fico triste por você ter passado por essa enganação, mas com certeza nada foi em vão, você com certeza cresceu muito com essa experiência e lhe agradeço por abrir meus olhos. Você com certeza é diferenciado pois obtêm êxito na maioria de suas escolhas, então o que eu te desejo é mais sucesso.
    Grande abraço, Izabela Rocha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Izabel. Espero que você continue estudando e persistindo no seu objetivo, não pense no hoje , nem na maneira mais fácil de chegar lá. Pense lá na frente, quando você for uma médica. Muita sorte , foco , força e fé!!

      Excluir
  41. Olá boa noite, espero não ofender com as palavras porque felizmente (através do estudo e educação em casa) eu aprendi a respeitar a opinião de todos, independente do lado de quem fala. Vamos, lá, tenho 17 anos, sou de Classe Média Baixa e estudo em uma escola particular por meio de bolsa mérito que consegui com muito esforço estudando em casa, sem a ajuda de nenhum professor ou mesmo apoio familiar (meu pai, mesmo idoso precisa trabalhar e minha mãe o mesmo). Em minha escola existem alunos que tem o poder aquisitivo tanto para realizar um curso de medicina pago, quanto um cursinho que ajude-o a entrar em uma Universidade Pública. Gostaria de ressaltar que a maioria destes alunos SE QUER ajuda o próximo, muito MENOS pensa na bandeira do próprio país (não estou falando de servir o exército, estou falando em no mínimo, pensar com amor, respeito e piedade todas as pessoas que vivem nele, desde um deficiente físico até mesmo um senhor(a) de idade), logo, com tudo que vejo na sala, percebo que eles não são Estudantes, eles são simplesmente Alunos, alunos que vão a sala de aulas, sentam-se nas carteiras, assistem as aulas e depois saem com seus iPhones para festas, matinês, lugares onde tem álcool, drogas e etc. Vocês que provavelmente vão ler devem estar imaginando o porque escrevi esse pequeno trecho do que vejo diariamente, pois bem, vou explicar:
    - Esses alunos que vão para aula terão todo o suporte para se formarem aonde quiserem, por qual motivo? Dinheiro $$. Se ele zerar um prova por exemplo, pode pagar a DP e seguir o curso.
    - Esse mesmo aluno não passará por peneira nenhuma, pois ele terá tudo de mãos cheias, isso parece realmente bom, mas será mesmo que esse aluno não esta fazendo o curso por interesse? Será que esse aluno se dedicará quando formado?

    ResponderExcluir
  42. Será mesmo que isso é justo comigo e com todos os Estudantes que gostariam que a meritocracia realmente existisse? Juro a bandeira todos os dias, mantenho minhas notas acima de 8,7, ajudo meus pais em casa, ajudo os necessitados através de filantropia e chega um jovem com poder aquisitivo e tem mais direitos que eu? Direito de fazer uma faculdade onde ele precisa ser no mínimo mais "humano" (no sentido de ajudar as pessoas) sendo que ele não ajuda nem uma idosa atravessar a rua?!!

    Por isso quero um sistema para Estudantes, agora, antes de continuar com a minha opinião, vou esclarecer algo que meu pai sempre me disse: Estudante - aquele que se dedica com o próprio esforço e força de vontade para alcançar um objetivo com os estudos, independente do curso, etc. Aluno - todos que vão para escola são alunos, mas isso não o faz capacitado, isso não o faz melhor na matéria, todos podem ser alunos, poucos podem ser estudantes.
    * Voltando do porque quero um sistema para Estudantes (UBA), eu quero porque lá todos podem entrar, mas nem todos conseguem completar, nem todos conseguem passar no primeiro ano no CBC. Será mesmo que isso é injusto? Principalmente a um médico? Não creio …
    Ao meu ver todos os alunos dos cursos de saúde que não conseguem atingir uma meta de notas, deveria repetir o ano, estamos falando de um profissional que tem o poder de decidir o melhor para um ser humano, essa responsabilidade é um peso gigante, você pode ajudar o paciente a se curar, porém, se você não tiver ótimos conceitos PRÓPRIOS sobre o assunto, provavelmente vai faze-lo piorar. O professor ficar quatro horas sentado na cadeira, aposto que se você se dirigir até ele, com certeza lhe dará uma resposta, lhe mostrará como é o correto, porém, o estudo cabe o aluno, não ao professor, o professor só esta lá para tirar dúvidas ou mesmo explicar partes complexas, ele não esta lá para guiar o aluno. O aluno quando formado em medicina vai guiar os pacientes, não terá um professor ao lado para que possa responder ou dar as dicas (tenho consciência disso antes mesmo de começar o curso).

    ResponderExcluir
  43. - Alunos da USP que eu conheço estudaram nas escolas: Objetivo (AV. Paulista), Colégio Anglo, Colégio, Outros Objetivos. Aliás, se você for fazer uma pesquisa dos melhores colégios, poderá ver que a maioria são restritas, nem todos podem pagas as altas mensalidades cobradas.

    Isso é só uma parte da reflexão, caso queiram mais algumas partes que dissertei sobre o tema, ressaltando, tenho 17 anos e pelo o que estou vendo, não estão sendo formados Estudantes e sim Alunos, isso em diversos cursos, não só Medicina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo desabafo no blog. Infelizmente essa utopia socialista de faculdade para todos é impossível , impraticável. Não há como ter faculdade de medicina para todos, o modelo da UBA é falho, na medida em que eles abrem a porta para todos sem dar um ensino decente, não há estrutura par isso. A meritocracia adotada no Brasil e nos países mais desenvolvidos do mundo é , na minha opinião, o melhor caminho, mas a quantidade de vagas deve ser ampliada , assim como a qualidade do ensino médio para que todos tenham condições de competir em igualdade. E o altruísmo nada tem a ver com competência científica, não adianta ser bonzinho, tem que ser bom aluno, como boas notas, melhor que os seus concorrentes, assim funciona o mundo.

      Excluir
    2. Então, acho que uma parte foi mal interpretada, eu não acredito que todos possam fazer a faculdade de medicina ou direito, só que se você for parar para pensar, nas públicas, as pessoas que entram tem estudo mais estudos que alunos de escola pública, pode ver que quando um aluno de escola pública passa, ele é entrevistado e até aparece em matéria nos jornais, enfim, não sou Socialista também, aliás, o sistema tanto do Socialismo Científico, quando do Socialismo Utópico são falhos, mas o método de entrada nas Universidades Públicas também são falhos, só não são falhos para aqueles que estudam em ótimos colégios e tem dinheiro para fazer o cursinho a tarde, entende? - Agora em relação a países desenvolvidos o Brasil fica em 85º colocado, em educação 58º (se não me engano).

      "não adianta ser bonzinho, tem que ser bom aluno, como boas notas, melhor que os seus concorrentes, assim funciona o mundo."

      Assim que funciona o mundo, pena que nas escolas públicas ninguém chegou a pensar nisso, porque faltam apostilas, faltam professores e conteúdos ... não é justo falar para algum aluno da rede pública: "você não é merecedor de estudar em uma ótima instituição, você não tem notas na FUVEST" - o caro nem teve a oportunidade de ensino qualificada para competir ... como você mesmo disse: "assim como a qualidade do ensino médio para que todos tenham condições de competir em igualdade" infelizmente se formos parar e esperar isso ai, só a minha décima quarta geração vai conseguir estudar medicina (caso queiram).

      "o modelo da UBA é falho, na medida em que eles abrem a porta para todos sem dar um ensino decente, não há estrutura par isso" - da mesma forma que o Brasil também não: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2014/02/1409819-usp-leste-diz-que-so-volta-ao-seu-campus-se-problemas-estiverem-sanados.shtml

      http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/12/usp-leste-antecipa-ferias-por-conta-de-problemas-em-reservatorio.html

      http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,apos-problemas-com-piolhos-e-agua-impropria-usp-leste-suspende-aulas,1109179,0.htm

      http://jus.com.br/artigos/20352/os-problemas-da-usp-e-a-questao-do-policiamento-comunitario

      http://noticias.terra.com.br/educacao/cetesb-vistoria-campus-da-usp-com-problemas-de-contaminacao,3314a26681481410VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

      Se eu for pegar todos os exemplos de problemas em todas as Federais, tenho certeza que consigo estourar o número de caracteres só com notícias.

      Desculpa se pareci grosseiro ou pareci que queria ofender, é que pela realidade que eu vivo, a UBA me parece a solução.

      Excluir
    3. Não faça isso, não seja um fracassado. Você tem 17 anos, tem muito tempo pra se dedicar e se preparar. Você deve estudar muito e superar todas as suas dificuldades , assim será um candidato imbatível. Medicina não é o único caminho, vale mais a pena fazer outro curso aqui no Brasil do que sair pra fazer essa aventura com um final bem triste. Converse com pessoas que estão lá, pergunte quanto estão gastando, veja a qualidade de vida dessas pessoas, longe das famílias, exiladas. Perceba que se for fazer uma faculdade privada no Brasil, sai muito mais em conta, sem contar que você pode obter o FIES. Agora, se você não conseguir entrar nem numa faculdade privada, paciência.

      Excluir
  44. Depois de ler TUDO isso, a primeira coisa que voce pensa é "vou sair correndo daqui dessa bosta de UBA e dessas empresas enganadoras". Depois vc pensa "não tenho mais 17 anos,sou uma burra por não conseguir 'entrar nem numa privada' e desisto do que sempre quis fazer pra fz outro curso,numa privada barata e fz concurso publico pra viver o resto da minha vida com estabilidade. Eu posso ter capacidade e talento pra médica,mas como sou burra melhor não fazer nada disso.
    Terceiro, se ainda assim eu quiser tentar, posso voltar pro Brasil e implorar um bom cursinho de R$ 1800 reais pra passar me medicina(pq ATÉ NUMA PRIVADA de sp há uma concorrencia fudida). Porque claro,tenho essa grana como todo brasileiro deve ter. E os que não tem deviam não querer profissão de "status".
    Não quero lhe ofender Pablo,mas realmente gostaria que voce me orientasse a não pensar tudo isso e não me sentir fracassada apos 5 anos de vestibular no Brasil,não poder ir fz medicina na Europa ou EUA e provavelmente não ser uma profissional despreprada formada na UBA(claro SE eu conseguir passar). Auto ajuda peço a você.
    Att,grata pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente , você de burra não tem nada. Uma pessoa burra não estaria tentando cursar uma faculdade. Felizmente aqui no nosso país , existe a meritocracia, vai entrar na faculdade quem for melhor na prova. O fato de você não ter entrado não quer dizer que você seja pior do que os outros, apenas está menos preparada. Não ter dinheiro para pagar um cursinho é problema da maioria, temos que lutar com nossas limitações. Ir para Argentina é pegar um atalho, pesquise a vida dos que se formaram lá , e hoje tetam desesperadamente revalidar seu diploma, talvez nunca consigam. Desistir da medicina ou não é escolha pessoal, mas nem todo mundo nasceu pra ser médico, apesar da quantidade de pessoas que têm essa vontade. Boa sorte!!!

      Excluir
    2. Tem mais, se você quer ser médica , não importa onde, termine o curso na Argentina, Bolívia, Peru... Mas saiba que dificilmente retornará ao Brasil, e , se isso acontecer, não será aceita pela classe médica- corporativista brasileira. Infelizmente, minha querida, pobre que escolhe essa profissão , tem de passar por isso. Existem bons exemplos de pessoas pobres que passaram em faculdades públicas ou pegaram um financiamento e estudam numa particular, você tem de encontrar o caminho, não se iluda com o mais fácil. Espero de todo meu coração que você seja médica aqui no Brasil.

      Excluir
    3. Pablo exagerando, isso é fato.

      Não é mil maravilhas, nem horrível como ele disse.

      Ele precisa tirar da cabeça dele que Brasil é só USP

      Excluir
  45. Estava preocupado com seu comentário, até que vi o excesso de preconceito no final! É comum pessoas frustadas jogarem a culpa em algo. Antes de tudo os Médicos estrangeiros passam por uma prova que os nacionais não passa. Os nacionais que não sabiam o que era Gripe Suína. Menos, pra mim te dar valor no que você fala!

    ResponderExcluir
  46. UNR é a melhor

    E Brasil não é só USP

    Peguem todas as faculdades de medicina no brasil e dividem = o resultado será mediano. Seria, no Brasil, superior a Argentina?

    Os médicos ''estrangeiros'' que passaram na ''OAB Médica'' não seriam mais capazes que os nacionais?

    UNIP, olhe para essa faculdade, olhe para o caos que a Unicamp vira e meche anda passando.

    Olhe para a USP onde homossexuais de Farmácia foram ameaçados de receberem merda na cara por alunos de Medicina. Inclusive um aluno de Medicina brasileiro foi morto na própria escola por Bullying.

    E ai? Brasil não é Canadá, muito menos Europa. Acho que você está sendo infeliz no que diz, imparcial, você não sabe a podridão que são as particulares no Brasil e vira e mexe as públicas também.

    Finalizando, serei Biomédico, porque prefiro laboratórios. (Nao teve capacidade de passar em medicina, diria um ignorante desse curso). Mas é uma vergonha a conduta dos médicos no Brasil, nem metade são responsáveis, os Enfermeiros, Farmaceuticos, Garis dão um baile em moral e caracter nos ''Intelectualmente Inteligentes'' prepotentes médicos.

    Nao esquece que o Brasil, apesar da DIVULGAÇÃO COPA/OLIMPIADA nao é primeiro mundo, Argentina nao fica atras muito nao.

    ResponderExcluir
  47. Bem a respeito de sua experiencia na argentina lhe compreendo perfeitamente.. passei pelo mesmo sufoco, ao contrario me adaptei, mas isso se trata de metodologia de ensino que cada pais e inclusive que cada universidade tem, a metodologia na argentina se basa em você ser praticamente auto-didata, o que me parece perfeito, uma questão de acostumar-se e adaptar-se.
    Afinal confiar mais em uma metodologia de um pais com 40 milhões de hab que acumula 3 premios nobel em ciencia e medicina ou em uma metodologia de um pais 4 vezes superior em população e nao sei quantas vezes em termos economicos, que porém acumula 0 (zero) premios nobel.
    A visão que o aluno deve ficar enfurnado em uma sala de aula pra aprender é tão enraizada em nós que é difícil acreditar e principalmente adaptar-se a essa metodologia, somos muito acostumados a aprender o que nossos professores dizem, ao invés de ler livros, e buscar o conhecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ser autodidata em medicina? Me parece meio tenebroso, bem cada país que fique com sua metodologia e o resultado disso, o que não vejo com bons olhos é o os que se formam fora , com tais metodologias, atuarem aqui. Em relação a prêmio Nobel, por favor, já fio falado que estes foram conquistados na década de 30, há muito tempo..... O brasil é o país mais desenvolvido da América do Sul , não é grande coisa, mas o pessoal tem que entender que se nós estamos mal, os outros estão muito piores...

      Excluir
    2. O papo dos premios Nobel, como sempre. É o velho truque usado pelas agencias e pelos propagandistas deles.

      O Nobel quem ganha não é o país, e sim o individuo, e os argentinos que ganharam só se formaram na Argentina mas a pesquisa que desenvolveram foi toda fora do país, em universidades de qualidade. A Argentian e a UBA não tem nada a ver com isso.

      Agora, eu é que pergunto: confiar num país que tem as melhores universidades da América Latina ou num país cuja melhor universidade não entra nem no top 10?

      Isso sim é fazer uma pergunta racional, não se basear em premios que não atestam a qualidade de uma universidade.

      Excluir
  48. Deixo aqui um trecho de uma reportagem de um brasileiro que estuda em Harvard.
    "O estudante tem apenas 3h de aula por dia, mas afirma que só de trabalhos e deveres de casa gasta em média 50 horas de tarefas toda semana. "Aqui é bem flexível, mas tenho que me impor. Essa experiência de aulas está me ajudando muito a administrar meu próprio tempo", explica."

    Isso serve para mostrar que ter uma carga horária baixa de aulas, não significa que a universidade é ruim, significa que para o aluno conseguir passar vai ter que ser muito bom e não ser dependente do professor e não esperar que este lhe entregue o conhecimento mastigado.
    O que faz um professor? No fundo o professor é um cara que leu livros, que continham informações sobre determinado tema e com essas informações e com o conhecimento e informações que tinha previamente, gerou mais conhecimento. A aula é nada mais que um resumo dos livros que o professor faz e apresenta. Existem matérias que tem uma necessidade maior de um professor, já outras nem tanto. Anatomia é uma delas, o professor precisa explicar algumas coisas, mas as informações estão nos livros, não tem porque você ir a uma sala de aula, com outros alunos e um professor para que ele te diga que o nome de uma estrutura do organismo é tal pois isto esta escrito no livro.
    Antes que alguém diga, aclaro que não estou comparando a UBA com Harvard, isso é insanidade. Harvard está anos luz à frente da UBA, USP ou qualquer universidade da America Latina.
    Link da reportagem:
    http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/05/08/harvard-trabalhos-tomam-50-horas-por-semana-conta-aluno-brasileiro.htm?fb_locale=pt_BR&fb_action_types=og.recommends

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele estuda MEDICINA?? O tema aqui é medicina, que em qualquer universidade , no mínimo medíocre, os alunos têm aula durante todo o dia, com professores explicando o que os livros dizem. Agora, estudar economia, administração, filosofia.... realmente não se faz necessário grande quantidades de aula. A UBA não tem aula , pois o sistema está falido, sem ter condições de abrigar tamanha quantidade de alunos e pagar professores para todos. Não me venham com discursos vazios, vamos pensar ....

      Excluir
    2. Então veja este relato de um professor e coordenador que trabalhou por 15 anos na USP e faculdades de Medicina da Santa Casa de SP, sobre sua experiência em Harvard. Transcrevo partes do texto:
      "Primeiro, porque ninguém é obrigado a dar aulas. Com cerca de 11 mil docentes para aproximadamente 500 alunos, a grande maioria dos docentes nunca dá aula, mesmo se quiser. Os docentes que procuram dar aula são geralmente aqueles que estão em processo de promoção, uma vez que tem se valorizado bastante a experiência didática nesse processo."
      Agora veja o dia a dia dos estudantes:
      "O formato dos cursos varia muito, mas, de uma forma geral, as atividades começam às 8h da manhã com UMA OU DUAS AULAS MAGISTRAIS PARA TODA A TURMA. Essas aulas são como CONFERÊNCIAS em congressos, com gravação de áudio e vídeo, pois os alunos podem a qualquer momento visitar o site do curso na intranet da faculdade e assistir à aula novamente no computador. Freqüentemente os alunos batem palmas efusivamente no final das aulas. Em seguida, após um breve intervalo, os alunos se dividem em grupos de 12 para CONVERSAR E DISCUTIR durante uma hora e meia sobre a(s) aula(s) daquele dia, sempre em salas pequenas e sob a monitoração de um docente. A composição desses grupos é balanceada de acordo com sexo, raça e origem dos alunos. A orientação da faculdade é que os MONITORES FALEM O MENOS POSSÍVEL; devem fazer perguntas de tempos em tempos no sentido apenas de orientar a discussão e evitar o caos ou perda de tempo.
      O TEMPO É CURTO E INSUFICIENTE PARA COBRIR TODA A MATÉRIA. O CURSO DE FISIOLOGIA humana (excluindo-se neurofisiologia), por exemplo, É DADO EM APENAS SEIS SEMANAS. Em função disso, os alunos têm o direito de levar a discussão para qualquer direção, mesmo que não seja a direção ideal, sem que o monitor possa interceder. Todos se sentam ao redor de uma mesa em salas equipadas com um computador, teclado e mouse sem fio, e um monitor grande de plasma pendurado na parede. UMA VEZ QUE OS PROFESSORE NÃO PODEM ESCLARECER DÚVIDAS, O GOOGLE É A FERRAMENTA MAIS IMPORTANTE nesses seminários. Qualquer dúvida, sobre qualquer assunto, busca-se no Google. De vez em quando esses seminários são visitados por especialistas em educação médica que ficam sentados na sala sem falar nada, só observando e tomando notas; eu os chamo carinhosamente de “psicanalistas”. Uma vez, ao final de um seminário, um “psicanalista” me deu os parabéns, pois ele anotou que eu havia falado apenas cinco vezes durante todo o seminário! Para quem me conhece, sabe que isso é um feito. A MAIOR PARTE DAS TARDES É LIVRE, PARA QUE OS ALUNOS ESTUDEM ou tenham atividades em laboratórios, ambulatórios ou enfermarias."

      Perceba que eles tem apenas uma ou duas aulas(seminários) por dia, depois discutem o tema e tem a tarde toda livre para estudar e pesquisar.
      Mas a "mensalidade" da faculdade é altíssima e eles tem 11 mil docentes, só que quase nenhum dá aula. Por que? Porque não colocam esses 11 mil para dar aulas o dia todo? Porque isso é tirar a responsabilidade do aluno e colocar no professor, o fato de que os alunos tem que estudar, pesquisar e discutir os temas fazem com que eles evoluam mais do que qualquer maratona de aulas. Mas o principal motivo é que com esse dinheiro e com essas 11 mil cabeças privilegiadas(maioria de ex-alunos que aprenderam a pensar por si mesmos), eles investem em pesquisas, fazem descobertas e publicações e com isso ficam em primeiro lugar em todos os rankings de universidades do mundo.

      Excluir
    3. Você acaba de chamar Harvard de medíocre, pois lá os alunos DE MEDICINA não tem aula o dia todo, pelo contrario, somente um ou dois seminário por dia e os monitores são orientados para não explicar a matéria. E você disse:"que em qualquer universidade no mínimo medíocre, os alunos têm aula durante todo o dia, com professores explicando o que os livros dizem".
      Em Harvard é justamente o contrário do que você acabou de dizer.

      Excluir
    4. Essa criatura está comparando Harvard com a UBA.

      Eu não posso acreditar.

      Pra começar, o processo que ele descreveu é COMPLETAMENTE DIFERENTE do que existe na UBA, onde falta professor e aula por pura PRECARIEDADE e não como sistema, como foi descrito ali.

      Depois, o processo descrito exige uma infra-estrutura física que sobra em Harvard e INEXISTE na UBA.

      Essa galera das agencias está delirando como nunca.

      Excluir
    5. Estou fazendo uma pesquisa após 3 anos que fui à Argentina, de como estão os brasileiros que conheci por lá. Em breve, escreverei um novo texto sobre o assunto, é surpreendente e triste.

      Excluir
    6. Você leu tudo? Pois então vou copiar e colar um trecho do meu texto:

      "Antes que alguém diga, aclaro que não estou comparando a UBA com Harvard, isso é insanidade. Harvard está anos luz à frente da UBA, USP ou qualquer universidade da America Latina."

      Não estou comparando Harvard com UBA, disse isso muito claro.
      O que estou dizendo é que foi afirmado que faculdade de medicina boa tem aulas o dia inteiro e que os professores explicam toda a matéria.
      Em Harvard quase não existe aulas e os monitores não ficam explicando a matéria.
      Na UBA existem muitos seminários e algumas aulas práticas, os monitores são orientados para não ficar explicando demais.
      O que quero dizer é que existe sim, um sistema de ensino em que os alunos não ficam enfurnados o dia inteiro ouvindo o professor falar e que este sistema é aplicado nas melhores universidades do mundo. Só que para nós brasileiros isso parece uma loucura, porque nosso sistema de ensino é focado no professor e não no aluno. A grande maioria dos cursos de Medicina são composto por 3 fases: A primeira é o ciclo biomédico, nesta fase o aluno vai ver matérias biológicas, químicas e outras. É um período de formação de base conceitual, o aluno precisa entender como funciona as reações do organismo e como este é composto. Essas matérias são em sua maioria teóricas, existem um teor prático, mas toda a base e fundamento estão descritos nos livros é uma questão de saber ler, pesquisar e entender. A maioria das faculdades do mundo, usam nesta fase um sistema de ensino com seminários e poucas aulas, porque espera-se que um aluno de ensino superior já consiga ler, pesquisar e retirar dos livros o seu conhecimento. Na segunda etapa, chamado de Ciclo Clínico o aluno começa a aprofundar no mundo das patologias, procedimentos médicos, tratamento, e questões práticas. Essa fase é realizada em sala de aula, laboratórios, hospitais e com muito estudo independente. É a fase em que a teoria se mistura com a prática. Na terceira etapa, chamada internato, seria tipo um estágio supervisionado, agora o aluno está imerso dentro de um hospital sob a supervisão de um médico responsável e vai aprender a lidar com o paciente, enfermeiros, com diversas situações, aprimorar e aumentar seu conhecimento sobre as enfermidades na prática e desenvolver as competências necessárias.
      A UBA segue rigorosamente este processo. Inclusive aplica um método que desde o primeiro ciclo coloca para os alunos questões práticas de patologias e diagnósticos aplicado as matérias teóricas, para que o aluno esteja acostumado a diagnosticar desde cedo.
      Quando vi este blog e os argumentos do Pablo, achei que merecia um aprofundamento na questão, porque o Pablo não disse mentira e algumas coisas não se encaixavam. Realmente este acesso livre e essa facilidade tinham que ter algum "problema". Mas também não fazia sentido uma universidade tão reconhecida e bem colocada no ranking, ser tão ruim(não cabe discutir se a UBA é boa ou não, ela está na frente de uma serie de faculdades brasileiras boas, logo a UBA é boa, isso é um fato). Como então uma faculdade reconhecida pode ter um sistema tão ruim? Outro ponto que não batia é o fato da UBA ser a principal formadora de médicos da Argentina, como um país como a Argentina poderia ter seus melhores médicos formados em uma faculdade tão ruim? Não fazia sentido. Então fui pesquisar o sistema de ensino da UBA, e descobri que: Eles usam um sistema de massa, muita gente entra, eles aplicam provas exigentes e um sistema "SIMILAR" ao de muitas universidades do mundo, em que o aluno não tem muitas aulas e os docentes não ficam respondendo tudo mastigado, logo a grande maioria dessas pessoas não conseguem acompanhar, porque é difícil e não tem o professor pra te entregar as respostas. Assim eles filtram os alunos até a chagada do ciclo clínico.

      Excluir
    7. De fato 99% dos brasileiros que entram na UBA desistem, alguns porque não tem capacidade mesmo, outros porque não estão acostumados e não se adaptam e porque é muito difícil. Muito voltam pro Brasil e outros migram para as particulares da Argentina. Se você fizer essa pesquisa vai encontrar algo similar a esse quadro, isso não quer dizer que a faculdade é ruim mas sim que é difícil e mais ainda para nós brasileiros que em geral não se adaptam.
      Ao Pablo parabenizo pelo Blog, me ajudou muito e me colocou argumentos e me contou uma experiência verdadeira, que me alertou e me fez pesquisar, isso só aconteceu porque exite fundamento no que diz Pablo, isso não significa que ele está certo nem que esteja errado, mas sim que merece ser analisado e pesquisado, só este processo já faz desse blog um blog de utilidade pública. Obrigado!

      Excluir
    8. “O que quero dizer é que existe sim, um sistema de ensino em que os alunos não ficam enfurnados o dia inteiro ouvindo o professor falar e que este sistema é aplicado nas melhores universidades do mundo. Só que para nós brasileiros isso parece uma loucura, porque nosso sistema de ensino é focado no professor e não no aluno”

      -- O sistema da UBA é completamente diferente, repito. O que eles fazem lá – e eu não falo de ouvir falar, eu falo de ter vivido aquilo, embora não no curso de medicina e sim como aluno intercambista em Geografia – é colocar o máximo de pessoas dentro da faculdade, com estrutura zero, professores que nem recebem (mais de 40% dos professores da UBA são os chamados “ad honorem”, que estão lá sem receber um tostão e são em geral professores em começo de carreira, apenas para contar em currículo) e aulas escassas.
      Harvard não tem NADA DISSO. Há seleção prévia, rigorosíssima, e estrutura de altíssima qualidade, além de uma coisa que a UBA nem sonha em ter, DEDICAÇÃO INTEGRAL DO PROFESSOR. Os professores da UBA, mesmo os que recebem alguma coisa (sempre muito pouco e muito menos do que os professores das nossas federais) dão aulas em 400 lugares diferentes para compor a renda e não tem tempo para dar atenção aos alunos. Por isso, em vez de dar aulas em sala de aula, eles vão para OUTRAS UNIVERSIDADES, no TEMPO EM QUE DEVERIAM DAR AULA, normalmente faculdades particulares. Ou seja, é uma pilantragem que não tem mais fim.
      Os professores em Harvard estão lá na universidade o dia inteiro, pesquisando, trabalhando, produzindo.
      Outra coisa que você “esqueceu” de mencionar. Em Harvard o aluno VIVE no campus, mora nele, e por isso ele usa todo o seu tempo para estudar e se preparar. Na UBA isto é impossível, pois o aluno não vive ali. Meus colegas TODOS trabalhavam nos horários vagos, exceto um ou outro riquinho, mas hoje em dia na Argentina isso é raríssimo. Ninguém ia para a aula exceto nos dias combinados ou para realizar trabalhos.

      Excluir
    9. “Outro ponto que não batia é o fato da UBA ser a principal formadora de médicos da Argentina, como um país como a Argentina poderia ter seus melhores médicos formados em uma faculdade tão ruim? Não fazia sentido.”

      ---Bom, tendo em vista a situação em que se encontra a Argentina atualmente (tema já fartamente debatido aqui nesse blog) não me admira que a melhor universidade deles fique no “excelente” 12º. Lugar na América Latina.

      “Então fui pesquisar o sistema de ensino da UBA, e descobri que: Eles usam um sistema de massa, muita gente entra, eles aplicam provas exigentes e um sistema "SIMILAR" ao de muitas universidades do mundo, em que o aluno não tem muitas aulas e os docentes não ficam respondendo tudo mastigado, logo a grande maioria dessas pessoas não conseguem acompanhar, porque é difícil e não tem o professor pra te entregar as respostas. Assim eles filtram os alunos até a chagada do ciclo clínico.”

      ---É completamente diferente.


      Primeiro, nessas universidades que você citou os professores não dão tanta aula, mas dão mesmo assim mais aulas que na UBA e estão disponíveis para atender alunos e dirimir dúvidas e orienta-los fora da sala de aula.
      Na UBA isto NÃO EXISTE. Se o aluno tem dúvidas ele fica ao Deus dará OU se matricula em cursinhos preparatórios, cujos professores – VEJA SÓ QUE LEGAL – são os MESMOS que dão aula na UBA. A vigarice é óbvia: o sujeito só consegue se dar bem se pagar o tal cursinho, e por isso as provas são tão difíceis: para o professor malandro faturar ainda mais do que já fatura dando aulas na UBA.

      Excluir
    10. “De fato 99% dos brasileiros que entram na UBA desistem, alguns porque não tem capacidade mesmo, outros porque não estão acostumados e não se adaptam e porque é muito difícil. “

      --- Os alunos brasileiros que estão na UBA e em outras universidades latino-americanas (os de medicina descritos aqui, não intercambistas) são a raspa do tacho do nosso ensino médio, de maneira geral, com raras exceções. São pessoas que não tiveram condições de passar em vestibular ALGUM e batem perfeitamente com a descrição que o Pablo deu deles. O próprio português empregue aqui por eles os denuncia como pessoas de péssima formação, em geral, e o resultado nas provas de revalidação só confirma isso.
      De qualquer forma, os próprios argentinos, em sua maioria, não seguem em frente.

      Excluir
  49. Esqueci de colocar o link do relato do professor:
    http://dev.drclas.harvard.edu/brazil/news/medical

    ResponderExcluir